Logotipo da Associação Batista de Osasco e Adjacências - ABOA

Ordem dos Pastores

Nova Diretoria OPBB/Osasco 2013/2014

Presidente: Pr. Paulo Sérgio da Silva Moncalvo
Vice- Presidente: Pr. Luiz Claudio Moura de Oliveira
1º Secretário: Pr. Ricardo de Sá
2º secretário: Pr. Robson Alexandre Alves
1º Tesoureiro: Pr. Eliezer de Oliveira Ferreira
2º Tesoureiro: Pr. Hércules José Henriques dos Santos

Segue abaixo link do Regimento Interno da OPBB Seção São Paulo referente a filiação e desligamento de pastores.

www.aboa.org.br/uploads/files/regimentoi.pdf

 Reunião da Ordem dos Pastores Batista do Brasil subseção Osasco ano 2013

31/08 - Concílio na Igreja Evangélica Batista da Graça às 9hs da manhã.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O ARROLAMENTO DE IGREJAS NA CBESP

1. Preenchimento completo do Formulário de Ingresso de Igreja;

2. Cópia autenticada do Estatuto registrado em cartório (para igrejas novas - o prazo de entrega é até a próxima reunião do conselho geral);

3. Cópia do Cartão do CNPJ (para igrejas novas - mesma observação acima);

4. Cópia autenticada da Ata de Organização da Igreja (registrada em cartório);

5. Cópia autenticada da Ata da Assembleia em que a Igreja Decidiu Pedir Arrolamento (registrada em cartório);

6. Declaração Expressando que Aceita as Escrituras Sagradas Como ùnica Regra de Fé e Prática e a Declaração Doutrinária da CBB.

7. Carta de Recomendações da Associação a qual a Igreja está Arrolada.

Para inscrição na OPBB

1 cópia simples da Ata de Exame 

1 cópia simples do RG, CPF e Certidão de Nascimento ou Casamento

1 Foto 3x4

 Carta de Recomendação da Subsecção

 Ficha de Cadastro de Pastores

  Pagamento da Taxa de Anuidade no valor de R$ 140,00 (Cento e Quarenta Reais) no BRADESCO – AG 0208 - PUC – CC 88.658-0, através de “Depósito Identificado”, i.é, solicite ao caixa preencher o depósito com seu nome.

  Concílios Para Todos
 
PROCEDIMENTOS PARA CONCÍLIO DE EXAME COM VISTAS A MINISTÉRIO PASTORAL*

1. A igreja deve aprovar, em Assembléia, a data e o convite aos Pastores da Seção e da Subsecção de sua região.

2. O candidato deve providenciar um trabalho monográfico de sua posição doutrinária (favor não copiar de livros e apostilas), acompanhado do histórico eclesiástico do candidato.Deve-se observar o prazo de 90 dias do envio à data do concílio

3. A igreja enviará à Subsecção, carta solicitando ao presidente, para definir a data e horário do concilio.

4. No dia do Concílio de Exame, devem estar presentes, no mínimo, sete pastores inscritos na Ordem. O primeiro passo é formar a mesa diretora e a banca dos examinadores e ou examinador geral. O Presidente do Concilio é tradicionalmente o pastor da igreja. Na impossibilidade, o presidente, bem como secretário, serão escolhidos entre os pastores presentes.

5. O candidato deverá ser examinado nas seguintes áreas: Conversão e Chamado ao Ministério

(Testemunho) - Teologia Geral - Ética e Eclesiologia e Visão Denominacional.

6. O candidato deve entregar ao relator da Comissão de Filiação os documentos abaixo para análise, que sejam informados ao Concílio:

- Atestado Criminal;

- Atestado do SCPC e SERASA;

- Atestado negativo dos Cartórios 1º ao 10º;

- Declaração da instituição teológica, na qual se formou, atestando não existir nenhuma pendência com a mesma.

7. O Concílio deve se seguir normalmente, lembrando que o mesmo pode ser restrito aos pastores e/ou aberto a todos. Quem deve deliberar é o próprio Concílio formado.

8. Pastores não inscritos na Ordem não podem votar, os votos considerados são os dos inscritos na Ordem.

9. Ao final do exame, os pastores devem solicitar a retirada do candidato e dos assistentes, ou eles devem se dirigir a uma sala restrita, para que possam dar o parecer individual e voto.

10. Lembrando que não deve haver aprovação, se mais de 20% dos pastores forem contrários.

11. Será informado, no final do Concílio, dia, hora e local do culto de consagração, que não deve acontecer no mesmo dia.

Qualquer dúvida, faça contato com a OPBB, no escritório da Secção SP. Telefone (11) 3866-6710 ou celular (11) 7444-7103.

Pr. Juracy Ribeiro de Sousa

Executivo do Estão de SP

.

Documento transcrito do "JORNAL COMUNHÃO", Ano 103/nº 06, Edição de Junho de 2012.

Digitado por: Antônio Henrique Sabino dos Santos, OPBB 200 - OPBB-SP 2021

Para uso da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, Secção de São Paulo - Subsecção de Osasco.

 
 Como Programar e Realizar o Exame e a Ordenação de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista

  Um compêndio de Teologia Sistemática
  
    Útil para Todos

Candidatos ao ministério Pastoral; Igreja que promovem Concílios; Presidentes, Secretários, Examinadores, Demais Membros do Concílio; Estudantes de Teologia; Diáconos e Professores da EBD...
199 Perguntas e Respostas nas Áreas de Teologia, Eclesiologia e Ética Pastoral – formuladas pelo Pastor Nicodemos Célio da Silva.

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO - Página 01-2
CAPÍTULO I - ALGUNS REQUISITOS PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 03.
CAPÍTULO II - CONVITE PARA A CONVOCAÇÃO DO CONCÍLIO PARA EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 06.
CAPíTULO III - A FORMAÇÃO DE CONCÍLIOS PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 07.
CAPÍTULO IV - O PROGRAMA DO EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 16.
CAPITULO V -  A IMPOSIÇÃO DE MÃOS SOBRE A CABEÇA DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 18
CAPÍTULO VI - O PROGRAMA DO CUL TO DE CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MNISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 19
CAPÍTULO VII - A ATA DO EXAME E DA CONSAGRAÇAO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 19
CAPÍTULO VIII - CONSELHOS PARA OS CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 21
CAPITULO IX PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 22
 CAPÍTULO X - A BENÇÃO APOSTÓL1CA MINISTRADA PELOS CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA - Página 75
CONCLUSÃO - Página 62 - DADOS BIOGRÁFICOS DO AUTOR - Página 62.

INTRODUÇÃO

Há cerca de 20 anos tenho participado de Concílios para exame de candidatos ao Ministério Pastoral Batista. Aprendi muito nos Concílios.
Infelizmente, nem sempre os Concílios são organizados da forma devida. A falta de conhecimento do funcionamento de um Concílio é fator determinante para o surgimento de problemas.
Não conheço nenhum livro que contenha as orientações aqui registradas. Você encontrará neste livro todas as orientações fundamentais e por isso necessárias para o bom funcionamento dos Concílios.
Claro que tinha a consciência do desafio de escrever sobre um assunto tão abrangente num espaço de aproximadamente 80 páginas. Espero que tenha alcançado o meu objetivo.
Quais são os requisitos para que um homem seja examinado e consagrado ao Ministério Pastoral Batista?
Como deve ser feito o convite para a convocação do Concílio?
Como formar Concílios?
Quais são as atribuições dos componentes da Diretoria do Concílio?
Que Textos Bíblicos podem ser lidos pelo pastor que faz a entrega da Bíblia e pelo pregador?
Como escrever dedicatórias na Bíblia que será entregue ao novel pastor?
Como deve ser feito o programa do exame?
Por que impor, e quem deve impor as mãos sobre a cabeça de candidatos ao Ministério Pastoral Batista?
Como deve ser feito o programa do culto de consagração?
E a Ata?
Quais são as perguntas básicas para candidatos ao Ministério Pastoral Batista?
Quem e como tem que ser ministrada a Bênção Apostólica? Estas indagações, entre muitas outras, são respondidas neste livro.
Não há uma bibliografia, porque o que usei foram anotações feitas em cursos e em Concílios que participei, e em leituras da Bíblia.
Usei também a concordância bíblica do computador.

Que Deus nos abençoe!

 Capítulo I

ALGUNS REQUISITOS PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Para exercer qualquer atividade é necessário preencher alguns requisitos. O mesmo ocorre com os candidatos ao Ministério Pastoral Batista. Neste capítulo, enumerarei alguns requisitos para que um homem seja ordenado ao Ministério Pastoral Batista, fazendo breves comentários sobre cada um deles.
Todos os requisitos são igualmente importantes e completam-se: é como se fossem, na verdade, um só requisito são inseparáveis.

1. PRIMEIRO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:

TER SIDO SALVO E REGENERADO POR JESUS CRISTO.

Sem ter sido salvo, regenerado por Jesus Cristo, um homem poderá até ingressar no Ministério Pastoral, contudo faltará a ele o ardor evangelístico, essencial aos pregadores da Palavra de Deus. Como poderá falar com sentimento de uma salvação que não possui?

2. SEGUNDO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:

CRER NA BÍBLIA COMO A SUA ÚNICA REGRA DE FÉ E PRÁTICA.

O Livro mais lido pelo candidato tem que ser a Bíblia; o Livro mais conhecido por ele tem que ser a Bíblia; o Livro a respeito do qual mais ele fale tem que ser a Bíblia. O candidato tem que crer na Bíblia como a sua única regra de fé e prática.

3. TERCEIRO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAl BATISTA:

SER MEMBRO DE UMA IGREJA BATISIA FILIADA À CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA E ESTAR EM COMUNHÃO COM A IGREJA DA QUAL É MEMBRO.

Se não for membro de uma igreja Batista filiada à Convenção Batista Brasileira e não estiver em comunhão com a igreja da qual é membro, como poderá ser pastor? Como é possível pastorear uma igreja filiada à Convenção Batista Brasileira, sem que ele mesmo seja membro de uma igreja filiada a essa Convenção.

 

4. QUARTO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:
UMA REAL E PROFUNDA CONVICÇÃO DE QUE FOI VOCACIONADO POR DEUS.
É impossível alguém ser pastor e continuar a ser pastor, se não tiver uma real e profunda convicção de que foi vocacionado por Deus. Quando surgirem problemas, e eles surgirão, mais cedo ou mais tarde -normalmente mais cedo - o “pastor” desistirá de ser pastor.

5. QUINTO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:
O DEVIDO PREPARO.
A Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - Secção Minas Gerais tem registrado em seu Estatuto, o qual tive o privilégio de ser o autor: Artigo 18 - A ORDEM sugerirá às Igrejas os seguintes critérios para os Concílios de Exames de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista:
d) que o candidato tenha concluído ou esteja concluindo um curso teológico;
e) que, no caso de não ter concluído nem estar concluindo um curso teológico, o candidato tenha ao menos 4 (quatro) anos de experiência comprovada na liderança de uma Congregação ou Igreja filiada à Convenção Batista Brasileira.
Nota: As igrejas de outros estados, antes de convocar os Concílios, precisam verificar o que registra o Estatuto da sua secção da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil.

6. SEXTO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:
O APOIO DA ESPOSA E DOS FILHOS - Nenhum pastor será bem sucedido em seu Ministério Pastoral, sem contar com o apoio de sua esposa e filhos.
Mesmo com o apoio deles, o Ministério Pastoral é difícil, sem o seu apoio, é quase impossível. Nenhum pastor pode prescindir desse apoio.
 7. SÉTIMO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA: - DAR UM EXCELENTE TESTEMUNHO DE SUA FÉ EM JESUS CRISTO.
Lemos no Estatuto da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil - Secção Minas Gerais:
Artigo 18 - A ORDEM sugerirá às Igrejas os seguintes critérios para os Concílios de Exames de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista:
f) que o candidato comprove idoneidade espiritual, moral e intelectual.
Notas: 1a - Pedir ao candidato que apresente uma declaração de que seu nome não está incluído no Serviço de Proteção ao Crédito e no Cadastro de Emitentes de Cheques Sem Fundo, e que não tem nenhum titulo protestado é uma atitude louvável dos Concílios.
2a - Pedir ao candidato que apresente o seu currículo também é um bom procedimento que deve ser adotado nos Concílios. Esse currículo deve ser lido antes do inicio do Exame do Concilio.

8. OITAVO REQUISITO PARA QUE UM HOMEM SEJA EXAMINADO E CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:
RECEBER E ACEITAR UM CONVITE PARA PASTOREAR UMA IGREJA BATISTA FILIADA À CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA.
Infelizmente alguns pastores têm sido consagrados ao Ministério Pastoral Batista sem receber e aceitar um convite para pastorear uma determinada Igreja. Este procedimento não é correto. Para quê consagrar um pastor, se ele não vai pastorear? Só porque ele concluiu algum curso teológico? Apenas para ele portar o titulo de pastor? Um pastor só deve ser consagrado ao Ministério Pastoral Batista se receber e aceitar um convite para pastorear uma igreja Batista filiada à Convenção Batista Brasileira.

Capítulo II

O CONVITE PARA A CONVENÇÃO DO CONCÍLIO PARA EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
É conveniente que os Concílios de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista sejam divididos em duas partes: a 1a. O Exame; a 2a. A Consagração.
Nota: 1a - Veja no próximo Capitulo, porque é importante que o Concilio seja dividido em duas partes.
2a - Consagração ou ordenação? Os dois termos podem ser usados. É Consagração porque o candidato está sendo consagrado, dedicado ao Ministério Pastoral Batista. É Ordenação porque ordenação é a “Ação de ordenar ou conferir as ordens eclesiásticas” - Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa.
A decisão de convocar um Concílio para o Exame e a Consagração de um Candidato ao Ministério Pastoral Batista tem que ser tomada pela igreja, reunida em Assembléia, de preferência Extraordinária.
É um assunto que não ocorre regularmente, daí ser importante  realização de uma Assembléia Extraordinária.
MODELO DE CARTA CONVITE PARA CONVOCAÇÃO DE CONCÍLIOS DE EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

São Paulo (ou o nome da cidade ou distrito onde a Igreja está localizada), ______de_____ de_______ .

Amados irmãos, saudações em Salmos 133.1
A Igreja Batista de......................, deliberou em Assembléia Extraordinária realizada no dia....de....do ano em curso, convocar um Concílio para o Exame e a Consagração do irmão........., ao Ministério Pastoral Batista. Por esta razão, convidamos o pastor desta Igreja para fazer parte do Concílio Examinador e a amada Igreja para assistir à Cerimônia de Consagração do referido irmão.
o Exame está convocado para o dia....de.....de.... e será realizado no Templo onde a nossa Igreja se reúne, localizado na rua..... número.... bairro..... município de...... estado de.......
Se aprovado, a Cerimônia de Consagração e posse no pastorado de nossa Igreja (ou na Congregação......., ou no pastorado auxiliar na área de discipulado; ou para exercer outra função) ocorrerá no dia....de....de.... e será realizada também no Templo onde a nossa Igreja se reúne.
Certos de contar com a presença do vosso pastor e dessa amada Igreja, despedimo-nos, fraternalmente, em Jesus Cristo, a Única Esperança.

______________________________________________
Pela Igreja
Pastor..........................................
(colocar o nome do pastor da igreja ou o nome do vice-presidente da Igreja)
P.S.: Quem for de carro deve entrar na avenida................... e depois na rua................ Quem for de ônibus deve pegar o ônibus número.............. ou número............ e pedir ao motorista para descer em frente à padaria..........

Notas: 1a - Se houver alguma outra referência importante que facilite a chegada ao Templo da igreja onde será realizado o exame e a consagração do candidato ao Ministério Pastoral, é importante colocá-la na carta convite que será enviada aos pastores e às igrejas.
2a - O mesmo procedimento deve ser tomado em todas as demais correspondências que serão enviadas.
Este modelo de carta convite pode ser modificado. Se desejar elaborar uma carta convite diferente, não há problema algum, desde que não sejam omitidas as informações essenciais registradas neste modelo.

Capítulo III
A FORMAÇÃO DE CONCILIOS PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS, AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Tratarei neste capítulo da formação de Concílios para o Exame e Consagração de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista, discorrendo sobre os aspectos relevantes concernentes ao Concílio.

1. O CONCILIO PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA É UM CONCÍLIO DE PASTORES.

O Exame e a Consagração de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista é feito somente por pastores Batistas filiados à Ordem dos Pastores Batistas do Brasil. Até mesmo os diáconos não podem fazer parte dos Concílios, considerando que o diácono é o segundo oficial da Igreja: o menor não pode examinar o maior.
Notas: 1a - Aos seminaristas pode e creio que deve ser facultada a presença nos Concílios, para que possam aprender como funcionam os Concílios. O mesmo procedimento pode ser tomado para pastores de outras denominações evangélicas. Essas decisões têm que ser tomadas pelo Concílio, mediante proposta, apoio e votação. Eventualmente, os seminaristas e outros pastores podem assistir ao exame, mas nunca da avaliação e do resultado da votação sobre a aprovação ou não do candidato.
2a - Não é conveniente que o Concilio seja aberto a todas as pessoas que desejarem. Pode constranger aos pastores e às outras pessoas presentes: imagine se o candidato não responder convenientemente às perguntas e até mesmo for criticado por colocações indevidas!
2. O NÚMERO MÍNIMO NECESSÁRIO DE PASTORES PARA A FORMAÇÃO DE CONCÍLIOS PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Não existe uma lei que determine o número mínimo necessário de pastores para a formação de Concílios para exame e consagração de candidatos ao Ministério Pastoral Batista: cada Secção da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil pode deliberar sobre a quantidade. No Estatuto da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil -Secção Minas Gerais está escrito:
Artigo 18 – (a) A ORDEM sugerirá às Igrejas os seguintes critérios para os Concílios de Exames de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista: (b) que os Concílios tenham no mínimo 5 (cinco) pastores membros da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil e 3 (três) da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil- Secção Minas Gerais.
Quanto maior for o número de pastores presentes, melhor para todos: Concílio, candidato, igreja que o candidato pretende pastorear, etc.

3. A COMPOSIÇÃO DE UM CONCÍLIO PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
A composição de um Concílio pode ser a que segue.
3.1. PRESIDENTE.
3.2. SECRETARIO.
3.3. EXAMINADOR EM EXPERIÊNCIA DE CONVERSÃO A JESUS CRISTO E CHAMADA PARA O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Esta tem que ser a primeira área em que o candidato será examinado. As demais áreas podem ser colocadas em ordem diferente da apresentada aqui. É importante que o candidato seja primeiramente examinado na área de Conversão a Jesus Cristo e Chamada para o Ministério Pastoral, porque o exame desta área determinará de forma decisiva a posição do Concílio quanto à aprovação ou não do candidato.
A ordem que registrarei em seguida é uma sugestão e pode ser alterada, todavia é conveniente que o candidato seja examinado em todas as áreas mencionadas.
3.4. EXAMINADOR EM BIBLIOLOGIA.
3.5. EXAMINADOR EM TEOLOGIA.
3.6. EXAMINADOR EM ECLESIOLOGIA.
3.7. EXAMINADOR EM ÉTICA PASTORAL.
3.8. PREGADOR DO SERMÃO DE CONSAGRAÇÃO DO PASTOR RECÉM APROVADO.
3.9. O MEMBRO DO CONCÍLIO QUE FARA A ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO DO PASTOR RECÉM-APROVADO PARA EXERCER O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
3.10. O MEMBRO DO CONCÍLIO QUE FARÁ A ENTREGA DA BIBLIA AO PASTOR RECÉM CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Nota: Veja no ponto 4 deste capítulo, as atribuições dos membros da Diretoria do Concílio.

A composição de um Concílio também pode ser a que vem a seguir.

3.1.  PRESIDENTE.
3.2.  SECRETARIO.
3.3. EXAMINADOR EM EXPERIENCIA DE CONVERSÃO A JESUS CRISTO E CHAMADA PARA O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, EM BIBLIOLOGIA, EM TEOLOGIA, EM ECLESIOLOGIA E EM ÉTICA PASTORAL (apenas um examinador para as cinco áreas em que o candidato será examinado).

Notas: 1a - Particularmente prefiro que haja cinco examinadores, um para cada área, pois facilita para os examinadores, que não precisarão fazer tantas perguntas; é melhor para o candidato, pois será examinado por cinco pessoas diferentes; e é conveniente para os membros do Concilio, que poderão aprender mais sobre como examinar candidatos ao Ministério Pastoral.
2a - Se o número de membros do Concilio for inferior a sete (Presidente, Secretário e cinco examinadores), pode haver quatro examinadores para as cinco áreas: um examinador para a Área de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista; um para a Área de Bibliologia e Teologia; um para a Área de Eclesiologia; e um para a Área de Ética Pastoral.
3.4. PREGADOR DO SERMÃO DE CONSAGRAGÃO DO PASTOR RECÉM APROVADO.
3.5. O MEMBRO DO CONCÍLIO QUE FARÁ A ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO DO PASTOR RECÉM APROVADO PARA EXERCER O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
3.6. O MEMBRO DO CONCÍLIO QUE FARÁ ENTREGA DA BÍBLIA AO PASTOR RECÉM CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Nota: Todos os membros do Concílio devem estar preparados para exercer qualquer função no Concilio. Todavia, se alguém julgar não ter capacidade ou, por qualquer outro motivo não puder aceitar a indicação, tem o direito de recusar e de omitir o motivo da recusa.
 
4. AS ATRIBUIÇÕES DOS COMPONENTES DOS CONCÍLIOS PARA EXAME E CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

4.1. PRESIDENTE: Antes de ser eleita a Diretoria do Concílio, cabe ao pastor da igreja à qual o candidato é membro a abertura do programa do Concílio. Se essa igreja não tiver pastor, a abertura pode ser feita pelo presidente da sub-secção da Ordem dos Pastores Batistas, ou pelo pastor presidente da Associação de igrejas Batistas, ou pelo pastor-coordenador da Associação, ou por qualquer outro pastor Batista membro de uma igreja filiada à Convenção Batista Brasileira. É competência do Presidente dirigir o Concílio de forma democrática.
Notas: 1a - É importante que a igreja que convocar um Concilio tenha um pastor, ainda que interino.
2a - A composição da Diretoria do Concilio deve ser feita num lugar reservado, onde estejam presentes apenas as pessoas que participarão do Concilio examinante.
3a – Não existe o vocábulo examinatório, mas examinante.

Normalmente é eleito Presidente o pastor da igreja da qual o candidato é membro. Isso ocorre como uma espécie de homenagem ao pastor do candidato.
Notas: 1a - Creio ser esse um bom procedimento, contudo não é obrigatório que o Presidente do Concílio seja o pastor do candidato.
2a - A eleição de todos os componentes da Diretoria do Concílio tem que ser feita como todas as deliberações ocorridas em uma igreja Batista: proposta, apoio e votação. Nesse caso, é considerado vencedor quem obtiver o maior número de votos - maioria simples.
3a - A Diretoria do Concílio tem que ser eleita minutos antes da instalação do Concílio.
4a - Nada impede que o pastor indicado para Presidente presida a eleição na qual o seu nome estiver incluído.
5a - Excetuando-se a função de Secretário, se for necessário e conveniente, o Presidente pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concílio.
Em seguida, o Presidente aguardará a proposta de nomes para comporem o Concílio. Depois que forem apoiadas e votadas, declarará o resultado final.
Nota: Se o Concilio for dividido em duas partes, em datas diferentes, o que é a melhor atitude a ser tomada, na primeira parte serão eleitos apenas o Presidente, o Secretário e o(s) Examinador(es). A composição final da Diretoria do Concilio ficará para a segunda e última parte do mesmo.
Prosseguindo, o Presidente concederá a palavra ao Examinador da área de Conversão e de Chamada para o Ministério Pastoral Batista, para que ele faça perguntas ao candidato. Terminado o exame, o Examinador devolverá a palavra ao Presidente e este a franqueará aos membros do Concílio, um de cada vez, que desejarem formular alguma pergunta ao candidato, pergunta obviamente concernente à sua conversão e chamada.
Nota: O candidato e o examinador devem estar sentados, quase em frente um ao outro e, ao mesmo tempo, lateralmente virados para os demais componentes do ConcIlio.
Dando continuação, o Presidente dará a palavra a cada um dos examinadores seguintes, adotando o mesmo procedimento feito no momento do exame na área de Conversão e Chamada ao Ministério Pastoral Batista.
Notas: 1a - Os examinadores não devem ler as perguntas que formularão, têm que sabe-las de cor: no máximo podem consultar um pequeno roteiro sobre a seqüência em que formularão as perguntas. Afinal o candidato responderá de cor, sem ler, e o examinador sabe mais que o candidato
2a - O candidato tem que receber a orientação de que pode e deve consultar a Bíblia Sagrada quando desejar.
3a - O candidato deve, além de responder às perguntas, mencionar algum versículo da Bíblia, também como resposta a cada pergunta. Se souber onde se encontra o versículo citado, melhor ainda. Tanto a menção do versículo, como a citação do Texto bíblico é de suma importância, pois demonstrará ao Concílio algo muito importante: o conhecimento bíblico do candidato.
Terminado o exame, os membros do Concílio retirar-se-ão para um lugar reservado, onde deliberarão sobre a aprovação ou não do candidato. Essa deliberação, também é feita mediante proposta, apoio, discussão e votação.
Notas: 1a - Nenhum membro do Concílio deve declarar o seu voto na presença do candidato, antes da decisão do Concílio.
2a - Se o Concílio for aberto a todas as pessoas, o que julgo ser inconveniente, enquanto os membros do Concílio reúnem-se para a deliberação, alguém previamente escolhido pode dirigir cânticos, orações, leituras da Bíblia Sagrada, etc.
Concluída a votação, o Concilio retornará à presença do candidato e o Presidente informará o resultado da avaliação feita, declarando o candidato aprovado ou reprovado, conforme a decisão tomada pelo Concílio.
Notas: O Presidente pode delegar ao Secretário ou a qualquer outro membro do Concílio a missão de declarar o resultado.
2a - Se o candidato for reprovado, é necessário dizer-lhe em que área(s) foi reprovado e porque foi reprovado.
3a - É de bom alvitre também, que o Concílio nomeie alguém ou algum membro do Concílio ofereça-se para orientar e ajudar o candidato reprovado, nos seus estudos sobre a(s) área(s) nas quais não foi aprovado.
Encerrando a primeira parte do Concílio, o Presidente informará sobre a data, o local, o horário, etc, da segunda parte do Concílio. Algum membro do Concílio será convidado a orar e o Concílio será suspenso até ser reaberto na data aprazada.
Nota: 1a - Julgo conveniente que o Concílio seja dividido em duas partes, em datas diferentes, porque o candidato pode ser reprovado no exame e não haver a consagração e a ordenação. Imagine o constrangimento que isso causará, tanto para o candidato, como para a igreja à qual ele é membro e para as pessoas que foram convidadas e estiverem presentes para o culto.
2a - A Ordem dos Pastores Batistas do Brasil- Secção Minas Gerais tem registrado em seu Estatuto:
Artigo 18 - A ORDEM sugerirá às Igrejas os seguintes critérios para os Concílios de Exames de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista:
(c) que haja um intervalo, se possível de no mínimo 15 {quinze) dias, entre o Exame e a Consagração do candidato.
3 - Ainda que o Concílio seja realizado no mesmo dia, o que é não é conveniente, ele terá duas partes, a saber, a primeira, o exame e a segunda, a consagração. Nesse caso, é comum haver um intervalo, onde é oferecido um lanche, almoço ou jantar.

4.2. SECRETÁRIO.
São as seguintes as atribuições do Secretário:
1) Redigir a Ata do Concílio e assiná-la;
2) Escrever na Bíblia que será oferecida ao pastor recém consagrado, após a dedicatória que será feita pelo pastor que entregará a Bíblia. a composição da Diretoria do Concílio – Presidente, Secretário, Examinador(es), Pastor que fará a Oração de Consagração do Pastor Recém Consagrado ao Ministério Pastoral Batista, Pastor que fará a Entrega da Bíblia ao Pastor Recém Consagrado ao Ministério Pastoral Batista. Pregador do Sermão de Consagração e demais componentes do Concílio.

Notas: 1a - Excetuando-se a função de Presidente, se for necessário e conveniente o Secretário pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concílio.
2a – Tem sido comum que além do Secretário, apenas o Presidente do Concilio assine a Ata. Julgo que o melhor procedimento é todos os membros do Concilio assinarem a Ata, especificando a sua função no Concilio. Quando houver algum pastor que não fez parte da Diretoria do Concilio, ele assinará no ponto Demais componentes ou “Demais membros do Concilio”.
3a – O ideal é que haja uma reunião com todos os membros do Concilio, para a aprovação da Ata, mas nem sempre é possível. Muitas vezes, nos Concílios, há pessoas que moram em cidades distantes e até mesmo em outros  estados, o que torna difícil à realização dessa reunião.
4a - Uma medida intermediária é todos os membros do Concílio assinarem a Ata, ainda que demore algum tempo para colher a assinatura de todos. É uma atitude importante, quando essa Ata não é lida para a aprovação do Concílio, porque no momento em que assinam a Ata, todos a lêem e isso dificulta a existência de erros nela.
5a - Veja no Capitulo VII, um modelo de Ata.
6a - Veja no ponto 4.10 deste Capitulo alguns modelos de dedicatórias para serem escritas nas Bíblias de pastores recém ordenados ao Ministério Pastoral Batista.

4.3 EXAMINANDOR EM EXPERIENCIA DE CONVERSÃO A JESUS CRISTO E CHAMADA AO MINITÉRIO PASTORAL BATISTA.
O Examinador em Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista tem uma missão muito importante, tanto quanto a do (s) examinador(es). A sua tarefa no exame é constituída de duas partes: 1a) o exame em Experiência de Conversão a Jesus Cristo; e 2a) o exame de Chamada ao Ministério Pastoral Batista.
Antes de iniciar o exame propriamente dito, o Examinador precisa acalmar o candidato dizendo-lhes que o objetivo do Concilio não é reprova-lo e sim avaliar as suas convicções de Conversão e Chamada para o Ministério Pastoral Batista – o mesmo procedimento deve ser tomado por todos os demais Examinadores, antes de iniciar o exame. Em seguida, pedirá ao candidato que narre a sua experiência de Conversão a Jesus Cristo.
Notas: 1a – Se o candidato souber de sua Conversão, o nome do pregador daquela ocasião e o(s) texto(s) bíblicos(s) utilizado(s) na pregação, deve menciona-los. Se não souber, não há problema algum, nem a sua Experiência de Conversão será considerada menos autentica: nem sempre todos os crentes lembram-se desses dados.
2a – Nesse momento é importante também perguntar ao candidato se ele tem certeza de sua salvação.
3a - Se for necessário e conveniente, o Examinador em Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concilio.
Prosseguindo, o Examinador perguntará ao candidato, quando foi batizado e quem o batizou. Ainda deve ser perguntado ao candidato, se foi excluído de alguma igreja. Caso a resposta seja positiva, ele deve mencionar qual a igreja que o exclui e o motivo de sua exclusão.
Notas: 1a – O fato de um candidato ter sido, em algum momento, excluído de alguma igreja, não o impede de ser examinado e, se aprovado, consagrado ao Ministério Pastoral Batista.
2a – Quando o examinador concluir o seu exame na área de Conversão, devolverá a palavra ao Presidente que, por sua vem, franqueará aos membros do Concilio que desejarem formular alguma pergunta. O mesmo procedimento deve ser adotado ao termino do exame de cada área.
Em seguida, o Examinador em Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista pedirá ao candidato que narre a sua experiência de Chamada para o Ministério Pastoral Batista.
Notas: 1a – Se o candidato souber de sua chamada para o Ministério Pastoral Batista, o nome do pregador daquela ocasião e o(s) texto(s) bíblico(s) utilizado(s) na pregação, deve menciona-los. Se não souber não há problema algum, nem a sus Experiência de Chamada ao Ministério Pastoral Batista será considerada menos autentica: nem sempre todos os vocacionados lembram-se destes dados.
2a – Nesse momento, é importante perguntar ao candidato se ele está convicto de sua Chamada para o Ministério Pastoral Batista.

4.4 EXAMINADOR EM BIBLIOLOGIA
 COMPETE AO Examinador em Bibliologia fazer perguntas ao candidato sobre a Bíblia, como Livro. Veja no capítulo VII, um esquema básico de perguntas que devem ser formuladas, na área de Bibliologia.
Nota: Se for necessário e conveniente, o Examinador em Bibliologia pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concílio.

4.5. EXAMINADOR EM TEOLOGIA.
Cabe ao examinador em Teologia fazer perguntas ao candidato sobre a Teologia, abordando todas as suas partes. Veja no capítulo VIII, um esquema básico de perguntas que devem ser formuladas, na área de Teologia.
Nota: Se for necessário e conveniente, o Examinador em Teologia pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concilio.

4.6. EXAMINADOR EM ECLESIOLOGIA.
É função do Examinador em Eclesiologia questionar, fazer perguntas ao candidato sobre a Eclesiologia. Veja no capítulo VIII, um esquema básico de perguntas que devem ser formuladas, na área de Eclesiologia.
Nota: Se for necessário e conveniente, o Examinador em Eclesiologia pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concilio.

4.7. EXAMINADOR EM ÉTICA PASTORAL.
O Examinador deve basear as suas perguntas no documento intitulado Código de Ética da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, podendo fazer perguntas adicionais, desde que relacionadas à Ética Pastoral.
Por exemplo: 1. O irmão já teve problema com algum pastor? Se a resposta for positiva, perguntar também com qual pastor e se o problema foi resolvido.
2. A sua esposa apóia a decisão do irmão de ser pastor?
3. E os seus filhos são favoráveis?

Nota: 1a - Código de Ética da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil pode ser adquirido na Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, juntamente com o Estatuto e o Regimento Interno.
2a - Se for necessário e conveniente, o Examinador em Ética Pastoral pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concílio.
 
4.8. PREGADOR DO SERMÃO PREGADO POR OCASIÃO DA CONSAGRAÇÃO DO PASTOR RECÉM APROVADO PARA EXERCER O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

O Pregador do Sermão de Consagração pode ser convidado pelo candidato ou eleito pelo Concilio. Caso o Pregador do Sermão de Consagração seja convidado pelo candidato o Concilio deve ser avisado com antecedência e referendar o convite.
 A seguir, enumerarei algumas características básicas do sermão pregado por ocasião da consagração do pastor recém aprovado ao Ministério pastoral Bi1tista
1) O sermão não deve ser longo.
2) Não é conveniente que o pregador, no sermão, aborde muitos aspectos do Ministério Pastoral.
3) Se o pastor recém aprovado estiver tomando posse, naquela ocasião, no pastorado de uma igreja, o sermão deve abordar também aspectos relacionados com a Igreja (com as ovelhas) e o seu pastor.
4) Também no caso do pastor recém consagrado ao Ministério Pastoral estar tomando posse na mesma ocasião, podem ser convidados dois pregadores, um para pregar um sermão para o pastor e outro, para dirigir-se ás ovelhas (á igreja)

Notas: 1a - Agindo desse modo, é preciso limitar o tempo dos pregadores para que o culto não fique muito longo quinze minutos ou no máximo vinte minutos para cada pregador é um tempo razoável.
2a - Essa atitude pode ser utilizada também em qualquer posse de pastor.
3a – Encerrando a pregação, é importante exortar a igreja a dirigir-se ao novel pastor, chamando-o de pastor.
4a – Não se esqueça de que o pregador do sermão de consagração pode ser convidado pelo candidato.
5a – Se for necessário e conveniente, o Pregador do Sermão de Consagração pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concilio.

4.9 – MEMBRO DO CONCILO QUE FARÁ A ORAÇÃO DE CONSAGRAÇÃO DO PASTOR APROVADO PARA EXERCER O MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Ao pastor que fará a oração de consagração do pastor recém aprovado para exercer o Ministério Pastoral Batista cabe tão somente orar a Deus rogando pela vida ministerial do novel pastor. Não é necessário nem é conveniente ler a Bíblia ou fazer qualquer comentário: a sua função é orar. Na oração de consagração precisa constar pedido para que Deus abençoe ao novel pastor, à sua família e ao seu ministério. No final da oração é mister que haja declaração de que, com aquela oração, o candidato aprovado está consagrado ao Ministério Pastoral Batista.
Notas: 1a – O pastor que fará a oração de consagração deve colocar-se exatamente às costas do pastor recém aprovado para exercer o Ministério Pastoral Batista, sendo que ele estará ajoelhado de frente para a congregação.
2a – Se for necessário e conveniente, o Membro do Concilio Que Fará a Oração de Consagração pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concilio.
4.10 – MEMBRO DO CONCÍLIO QUE FARÁ A ENTREGA DA BÍBLIA AO PASTOR RECÉM CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Não obstante ser importante ler a Bíblia Sagrada no momento da entrega da Bíblia ao pastor recém consagrado ao Ministério Pastoral Batista e proferir algumas palavras sobre a Bíblia e a respeito da necessidade do novo pastor utiliza-la a todo instante, o pastor precisa ter cuidado para não pregar um sermão nesse momento.
Deve ser escolhido um texto bíblico não muito extenso e apropriado para o momento. É sua competência também, escrever a dedicatória na Bíblia e proferir algumas palavras sobre ela (a Bíblia Sagrada) e a respeito da necessidade do novo pastor utiliza-la a todo instante.
Notas: 1a – A Bíblia é adquirida pela igreja que convocou o Concilio; deve ser uma Bíblia, de preferência com dicionário e concordância bíblicos ou uma Bíblia que tenha mais do que o Antigo e o Novo Testamento; outra boa medida também é a Bíblia ter o nome completo do pastor que receberá e a data em que a recebeu (este procedimento só é viável se o Concilio tiver duas partes).
2a – A dedicatória que deve estar escrita na Bíblia pode ser escrita por outro componente do Concilio, se este for o desejo de quem entregará a Bíblia.
3a – Veja depois destas notas, duas sugestões de dedicatória e a sugestão de vários Textos Bíblicos que podem ser lidos na ocasião.
4a – É importante ler um texto bíblico nesse momento.
5a – Que entregar a Bíblia não deve fazer sermão: não foi eleito para essa finalidade – tem que ser breve e objetivo.
6a – Se for necessário e conveniente, o Membro do Concilio que fará a Entrega da Bíblia pode exercer mais de uma função na Diretoria do Concílio.

SUGESTÕES DE TEXTOS BIBLICOS PARA SEREM LIDOS PELO PASTOR QUE FARÁ A ENTREGA DA BÍBLIA AO PASTOR RECÉM CONSAGRADO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA:
Levítico 18.4,37; Números 27.17; Deuteronômio 4.8; 8.11; 11.1,32; 26.16,17; 30.16; Josué 1.8,9; 2 Samuel 22.22-24; Salmos 1; 11.10; 119.11, 15. 97, 99, 105; Eclesiastes 12.9; Jeremias 3.15; Ezequíel34. 7,9 João 10.1, 14, 15; Lucas 24.27,32; João 5.39; Atos 20.28; Romanos 15.4; 1 Timóteo 3.1-7; 5.17,18; Efésios 4.11.

SUGESTOES DE DEDICATÓRIAS PARA SEREM ESCRITAS NA BIBLIA QUE É ENTREGUE AO PASTOR RECÉM CONSAGRADO AO MINIST~RIO PASTORAL BATISTA

Sugestão 1

Pastor:____________________________________________________            (nome do pastor que receberá a Bíblia)

Inicias hoje uma nova etapa em tua vida. É uma etapa completamente diferente, por isso terás que aprender passo a passo, dia-a-dia a exercer o Ministério Pastoral Batista.
Desejo dar-te cinco conselhos:
1° - dedica tempo para orar a Deus;
2° - separa momentos do dia para ler e meditar nos ensinos registrados na Bíblia Sagrada;
3° - fala das Boas Novas de Salvação em Jesus, pelo menos a uma pessoa por dia;
4o - procura aconselhar-te com pastores mais experientes;
5° - participa dos eventos denominacionais.
A exortação feita por Deus a Josué, que iniciava o seu ministério de liderar o povo de Israel na entrada e posse da terra prometida é pertinente para ti: lê e medita em Josué 1.8,9.

Que Deus te abençoe ricamente!
_____________________________________________,_____/____/____
(nome da cidade onde o culto está sendo realizado)       (data)

_____________________________________________________________
(nome completo, por extenso de quem fez a dedicatória)

Sugestão 2

Pastor:_______________________________________________________ (nome do pastor que receberá a Bíblia)


A tua jornada cristã hoje passa a ter um novo rumo. Vocacionado por Deus, estás sendo consagrado ao Ministério Pastoral Batista.

Sabe que o Ministério Pastoral não é como uma corrida de 100 metros rasos, mas sim uma maratona, onde são percorridos muitos quilômetros. Quando surgirem as dificuldades inerentes a todos os pastores, não desista, fique firme! Confiado em Deus, vencerás os primeiros e os derradeiros problemas: os primeiros servirão para fortalecer a tua fé e dar condições para enfrentar os últimos.
Jamais perca de vista a convicção de tua chamada para o Ministério Pastoral Batista. Com essa certeza serás vitorioso: “Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará” - Salmos 37.5.

Que Deus te abençoe!

(Em seguida, coloque o nome da cidade onde o culto está sendo realizado, a data, e o nome completo de quem fez a dedicatória)


Capitulo IV

O PROGRAMA DO EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA

Como tudo o que é feito para Deus, o programa do exame de candidatos ao Ministério Pastoral Batista deve ser elaborado com antecedência e corretamente.
Veja neste capítulo algumas considerações a respeito da elaboração desses programas.
1. O PROGRAMA DO CULTO DO EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA PRECISA SER ELABORADO CORRETAMENTE.

Ao contrário do culto de consagração, que não deve ser longo, é preciso que haja tempo suficiente para o exame: não pode haver pressa. Os candidatos têm que ser muito bem examinados, afinal sobre o Concílio está a responsabilidade de aprovar ou não o candidato.

2. MODELO DE PROGRAMA DO EXAME DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
O modelo que apresentarei a seguir pode ser copiado ou adaptado. Se for adaptado, é preciso tomar cuidado para não inverter a ordem correta do programa e não suprimir as partes essenciais.
I -Devocional – Pastor.... (escrever o nome de quem vai dirigir este período)
1. Cântico do hino número 1 do cantor cristão (ou os hinos 5,6, 7, 8,9,10,14,15, etc).
2. Leitura Bíblica e breve meditação (Jeremias 3.15; Ezequiel 34; Zacarias 11.17; João 10.1-18; Efésios 4.11 ou qualquer outro texto bíblico que refira-se a pastores).
3. Oração (pedindo a Deus a Sua direção para o exame, para os examinadores e para o irmão que será examinado).

II - COMPOSIÇÃO DO CONCÍLIO
1. Presidente.
2. Secretário.
3. Examinador na área de Experiência de Conversão a Jesus Cristo.
4. Chamada ao Ministério Pastoral Batista.
5. Examinador na área de Bibliologia.
6. Examinador na área de Teologia.
7. Examinador na área de Eclesiologia.
8. 8. Examinador na área de Ética Pastoral.

Notas: 1a - O pastor que fará a Oração de Consagração - o pastor que fará a entrega da Bíblia e o pastor que pregará o sermão o são eleitos na segunda parte do Concílio.
2a - Caso o Concilio não seja dividido em duas partes, o que não é conveniente, os pastores mencionados anteriormente serão eleitos juntamente com os demais membros do Concilio.
A composição da primeira parte do Concílio também pode ser a seguinte:
1. Presidente.
2. Secretário.
3. Examinador na área de Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista.
4. Examinador na área de Bibliologia e Teologia.
5. Examinador na área de Eclesiologia.
6. Examinador na área de Ética Pastoral.

III - APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO (nome, filiação, naturalidade - onde nasceu - estado civil - se casado, mencionar o nome da esposa - filhos, cursos- teológicos e seculares - etc)
IV- EXAME DO CANDIDATO 1
1. Na área de Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista.
2. Na área de Bibliologia.
3. Na área de Teologia.
4. Na área de Eclesiologia.
5. Na área de Ética Pastoral.

Nota: é importante colocar as áreas mencionadas ou colocar outras, conforme o Concilio decidir.
V - DELIBERAÇÃO DO CONCÍLIO (nesse momento, o Concílio reunir-se-á num lugar reservado, previamente preparado, onde deliberará se o candidato foi aprovado ou não)
VI - DECLARAÇÃO DO PARECER DO CONCÍLIO (nesse momento, o pastor indicado pelo Concílio declarará o Parecer do Concílio)
VII - SUSPENSÃO DO CONCÍLIO
1. Sendo o candidato aprovado, será informado o local, a data e o horário da segunda parte do Concilio -o Culto de Consagração (o Presidente do Concilio dará as informações).
2. O lanche, almoço ou jantar (0 Presidente do Concilio ou a pessoa indicada dará as informações).
3. Oração.

Capítulo V

A IMPOSIÇÃO DE MÃOS SOBRE A CABEÇA DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
 
Nós batistas, cremos em tudo o que encontramos base bíblica. A Bíblia é a nossa única Regra de Fé e prática. Neste capítulo veremos quem pode impor as mãos sobre a cabeça do candidato ao Ministério Pastoral Batista no momento de sua consagração ao Ministério.
A IMPOSIÇÃO DE MÃOS SOBRE A CABEÇA DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA É FEITA SOMENTE PELOS PASTORES.
O apóstolo Paulo, escrevendo ao jovem pastor Timóteo, dá um conselho e lembra a Timóteo que ele foi consagrado ao Ministério Pastoral com a imposição das mãos do presbitério (Presbítero é um dos títulos dados ao pastor; Presbitérios são um grupo de pastores): “Não negligencies o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério” - I Timóteo 4.14.
Também a Timóteo, Paulo aconselha como agir quando for impor as mãos na cerimônia de consagração de um pastor ao Ministério Pastoral:
“A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro”  I Timóteo 5.22. Ainda, Paulo declara que impôs as mãos sobre a cabeça de Timóteo:
“Por esta razão te lembro que despertes o dom de Deus, que há em ti pela imposição das minhas mãos”  (II Timóteo 1.6). Somente os pastores podem impor as mãos sobre a cabeça dos candidatos recém aprovados para o exercício do Ministério Pastoral Batista. Apenas os pastores podem examinar os candidatos ao Ministério Pastoral Batista.


Capítulo VI

O PROGRAMA DO CULTO DE CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Veja neste capítulo uma sugestão para a elaboração do programa do culto de consagração de candidatos ao Ministério Pastoral Batista. Você encontrará também um modelo de programa para essa ocasião.

1. O PROGRAMA DO CULTO DE CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA NÃO DEVE SER LONGO.

Todos os cultos precisam ter uma característica comum: não devem ser longos. Um culto longo é cansativo, o que leva as pessoas a distraírem-se.
Quando for programado um culto de Consagração de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista é necessário ter cuidado para que ele não seja muito longo.
2. MODELO DE PROGRAMA DO CULTO DE CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
Assim como ocorre no Programa de Exame De Candidatos Ao Ministério Pastoral Batista, o modelo que apresentarei a seguir também pode ser copiado ou adaptado. Se for adaptado, é preciso tomar cuidado para não inverter a ordem correta do programa e não omitir as partes essenciais.
Nota: Antes do Culto, ser iniciado ou logo depois de seu início, o Concilio reunir-se-á num lugar reservado, para eleger o restante da Diretoria do Concílio.
Quem fará a oração de consagração, (quem fará a entrega da Bíblia ao novel pastor e quem pregará o sermão).

PROGRAMA DO CULTO DE CONSAGRAÇÃO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, DO IRMÃO.......................................................................
São Paulo (ou o nome da cidade onde o culto está sendo realizado), ___/____/____, (data do culto), Igreja Batista..........................................
 I -DEVOCIONAL –irmão (ou irmã, escrever o nome da pessoa responsável para dirigir este período).
1. Cântico do hino número 570 ou o hino número 579 do cantor cristão que é o hino oficial da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil
2. Leitura Bíblica – 3. Oração.

Capitulo VII

A ATA DO EXAME E DA CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Infelizmente, é comum a muitas pessoas não dar o devido valor às Atas. Neste capítulo, destacarei alguns aspectos relevantes concernentes à Ata do Exame e da Consagração de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista.
1. A IMPORTÂNCIA DA ATA DO EXAME E DA CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
A Ata do Exame e da Consagração de Candidatos ao Ministério Pastoral Batista é um documento de extrema importância. Muitas vezes, é o único documento que comprova que um pastor foi aprovado por um Concílio para o exercício do Ministério Pastoral Batista. Também através da consulta à Ata é possível saber se o Concílio foi regular ou não.
2. MODELOS DE ATAS DO EXAME E DA CONSAGRAÇÃO DE CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.
O modelo de Ata que registrarei a seguir, tem que ser modificado, dependendo da composição do Concílio e da Ordem das áreas em que os Examinadores examinarão o candidato.
Ata do Concílio de Exame e de Consagração do irmão..................ao Ministério Pastoral Batista, realizada aos dez dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dez (10/12/2010), no Templo da Igreja Batista ..................situada à rua......................, bairro..............., município de......................, estado de........................ . Às quatorze horas e quinze minutos, o pastor.............., inicia a cerimônia, lendo a Bíblia Sagrada, no livro do profeta Jeremias, capítulo 3 (três), versículo 15 (quinze), destacando: I - Que é Deus quem vocaciona os pastores. II - Que o critério para vocacionar pastores é o Coração de Deus. III -Que os pastores são vocacionados por Deus segundo o seu coração, para apascentar com conhecimento. IV - Que os pastores são vocacionados por Deus segundo o seu coração, para apascentar com inteligência. Prosseguindo, solicita ao pastor..............., que ore a Deus, pedindo a Sua Direção para o exame que será realizado e para o candidato que será examinado. É eleita a Diretoria do Concílio. que assim fica constituída: Presidente – pastor....................; Secretário – pastor...............; Examinador na Área de Experiência de Conversão a Jesus Cristo e Chamada Para o Ministério Pastoral Batista – pastor...............; Examinador na Área de Bibliologia- pastor.............; Examinador na Área de Teologia – pastor..........; Examinador na Área de Eclesiologia – pastor.............; Examinador na Área de Ética Pastoral – pastor............... .Sendo o candidato aprovado no exame, os demais componentes da Diretoria serão eleitos na segunda parte do Concílio, por ocasião da sua Consagração ao Ministério Pastoral Batista, O Presidente apresenta o candidato que será examinado, irmão...........; filho de..........., e ..............., nascido aos.............. dias do mês de.........., do ano......, no município de..........., estado de..........,  casado com........ pai de............., e..............., portador da carteira de identidade número........., Secretaria de Segurança Pública de............, CPF..........,bacharel em Teologia pela Faculdade Teológica Batista....................., (colocar por extenso, e depois com algarismos arábicos, o dia, mês e ano em que concluiu o curso de Teologia e outros cursos que porventura tenha concluído ou esteja cursando). Em seguida, concede a palavra ao Examinador na área de Conversão a Jesus Cristo e Chamada ao Ministério Pastoral Batista. O Examinador pede ao candidato que narre a sua Experiência de Conversão a Jesus Cristo e depois faz algumas perguntas. Continuando, solicita ao candidato que narre a sua Experiência de Chamada ao Ministério Pastoral Batista e em seguida faz algumas perguntas. O Presidente franqueia a palavra aos demais componentes do Concílio, mas nenhum deles faz perguntas ao candidato (se alguém fizer alguma pergunta, precisa ser registrado em Ata que outras perguntas foram feitas). O Presidente dá a palavra ao Examinador na área de Bibliologia, que faz diversas perguntas sobre a Bíblia, sua formação, Revelação, Inspiração, Iluminação, (colocar aqui os demais temas que foram abordados). O Presidente franqueia a palavra aos demais componentes do Concílio que formulam algumas perguntas ao candidato. O Presidente cede a palavra ao Examinador na área de Teologia, que faz diversas perguntas sobre quem é Deus, Seus Atributos Naturais e Morais (colocar aqui os outros temas que foram abordados). O Presidente franqueia a palavra aos demais componentes do Concílio que formulam algumas perguntas ao candidato. O Presidente outorga a palavra ao Examinador na área de Eclesiologia, que faz diversas perguntas sobre o que é  Igreja, seus oficiais, suas ordenanças (colocar aqui os demais temas que foram abordados). O Presidente franqueia a palavra aos demais componentes do Concilio que formulam algumas perguntas ao candidato. O Presidente concede a palavra ao Examinador na área de Ética Pastoral, que faz diversas perguntas sobre o pastor e a igreja, o pastor e a sua família (colocar aqui os demais temas que foram abordados). O Presidente franqueia a palavra aos demais componentes, todavia nenhum deles faz perguntas ao candidato. Concluído o exame, o Concilio retira-se para uma das dependências da Igreja e delibera favoravelmente, reconhecendo que o irmão......., está apto para ser consagrado ao Ministério Pastoral Batista. É indicado o Secretário do Concílio para dar ao candidato o Parecer do Concilio. Retomando a nave do Templo, o Presidente solicita ao Secretário que apresente o Parecer do Concilio. O Secretário declara que o candidato foi aprovado e que, por isso, o Concílio recomenda a sua Consagração ao Ministério Pastoral Batista. Oração pelo pastor.........., e neste ponto é suspenso o Concílio, que voltará a reunir-se no dia (___/___/___) as ___/___/___, neste mesmo local, para a Consagração do candidato aprovado. Às.........., (colocar por extenso a hora em que o Concílio voltou a reunir-se) o Presidente do Concílio, pastor.............., reinstala o Concílio, no Templo da Igreja Batista.............. A seguir, informa que o irmão foi examinado e aprovado pelo Concilio, no dia ___/___/___ no Templo da Igreja Batista...................., (município), estado de............... . Pede ao Secretário do Concílio que leia o nome dos demais componentes do Concílio: oração de consagração – pastor......; entrega da Bíblia ao novel pastor – pastor......; pregador do sermão – pastor.... . O pastor........., entrega a Bíblia ao pastor............... .


Capitulo VIII

CONSELHOS PARA OS CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

Inúmeras recomendações são feitas a todas as pessoas que preparam-se para qualquer exame. Não é menor o número de recomendações dadas aos candidatos à véspera do exame. Ainda são de extrema importância as recomendações para os candidatos no momento do exame. Os candidatos ao Ministério Pastoral Batista não podem ser excluídos de receber recomendações.
Este é o objetivo deste capítulo Ser conciso, característica que permeou todo este livro, leva-me a não enumerar uma quantidade extensa de recomendações e a não me estender nas considerações sobre cada uma delas.
 As que são aqui mencionadas resumem as que julgo ser essenciais e por conseguinte imprescindíveis para o candidato ao Ministério Pastoral Batista.

1. Antes de o Concílio ser convocado:
1.1. Não deixe para começar a estudar somente quando for marcada a data para a realização do Concílio: comece a estudar com antecedência.
1.2. Elabore um questionário com respostas e versículos bíblicos - Este livro facilitará o seu trabalho, pois já contém um questionário do modo sugerido neste ponto.
1.3. Assista a todos os Concílios que tiver conhecimento Anotando as perguntas e respostas apresentadas.
2. Após o Concílio ser convocado
2.1. Intensifique os estudos, programando e cumprindo horários para estudar.
2.2. Repasse o que já tiver aprendido e enfatize as áreas em que encontrar mais dificuldades.
2.3. Consulte pastores para auxiliá-lo nos estudos e para esclarecer as dúvidas que tiver.
3. O dia anterior à realização do Concílio.
3.1. Não tente aprender o que não aprendeu até esse dia. É mais provável que você esqueça algo que já aprendeu do que aprenda algo novo.
3.2. Descanse o máximo possível, também com algum tipo de lazer.
3.3. Consuma uma alimentação leve e ingira muita água.
4. Durante a realização do Concílio
4.1. Fique calmo. O nervosismo não ajudará em nada e pior: atrapalhará e muito, fazendo com que você esqueça até mesmo o que aprendeu.
4.2. Não alongue a resposta: se à pergunta do Examinador couber apenas a resposta “sim” ou “não”, responda apenas com um destes monossílabos.
4.3. Mencione a Bíblia, de cor ou leia a Bíblia para o maior número de respostas possível. Dai a importância de saber e de citar pelo menos um versículo bíblico para cada resposta.
Coloque em prática os conselhos enumerados neste capítulo e o Deus que o vocacionou para o Ministério Pastoral o capacitará antes, na véspera e no dia do exame.

Capítulo IX

PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA

Neste capítulo não estão colocadas todas as perguntas que podem ser feitas, mas as perguntas básicas que podem ser formuladas aos Candidatos ao Ministério Pastoral Batista.

1. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE A ÁREA DE CONVERSÃO A JESUS CRISTO.

1) Narre resumidamente como foi a sua experiência de Conversão a Jesus Cristo.
2) O irmão tem certeza da sua salvação em Jesus Cristo?
3) O irmão tem certeza que vai para o céu, quando morrer?
4) Há quantos anos o irmão é membro de uma igreja Batista?
5) O irmão já foi excluído de uma igreja Batista?

Nota: Se o candidato declarar que já foi excluído de uma igreja Batista, é importante perguntar o motivo de sua exclusão, contudo isso não será motivo para que ele deixe de ser ordenado ao Ministério Pastoral Batista.

2. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE A ÁREA DE CHAMADA AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA.

1) Narre de forma sucinta como Deus vocacionou o irmão para o Ministério Pastoral Batista.
2) O irmão tem certeza de que foi vocacionado por Deus para o Ministério Pastoral Batista?
3) O irmão pretende exercer o Ministério Parcial ou o Ministério de Tempo Integral?
4) O irmão já teve alguma dúvida quanto à sua Chamada Para o Ministério Pastoral Batista? Tem certeza desde quando?
5) O irmão tem consciência de que, se este Concílio der o parecer favorável, será aprovado para exercer o Ministério Pastoral não somente na Igreja que pediu a sua consagração, mas em qualquer igreja Batista da mesma fé e ordem, no Brasil e no mundo?
6) Se este Concílio reprová-lo, o irmão julgará que a culpa é do Concílio? O irmão desistirá de ser pastor? O Irmão arrumará um jeito de um Concílio ser convocado sem convidar os pastores que foram convidados para este Concilio?

3. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE A ÁREA DE BIBLIOLOGIA (Estudo da Bíblia como Livro).

1. O que é Revelação?
R: 1. A palavra revelação significa literalmente tirando o véu e é o equivalente latino do grego apocalipse, “o ato de descobrir”.
2. Revelação é a comunicação e a interpretação própria que Deus faz de si mesmo. É constituída de três espécies: a Natural, o Universo; a Viva, Jesus Cristo; e a Especial, a Bíblia.
3. Revelação é algo que Deus revelou ao homem sem a qual o homem não conseguiria descobrir por si mesmo.
4. Revelação é a Mensagem dada por Deus diretamente aos homens muitas vezes acompanhada da expressão: “Escreve”

2. Como ocorreu a Revelação de Deus?
R: A Revelação de Deus foi gradual e progressiva

3. Cite alguns exemplos de Revelação no Antigo Testamento.
R: “Disse-me também o Senhor: Toma uma tábua grande e escreve nela em caracteres legíveis: Maer-Salal-Has-Baz” - Isaías 8.1; 30.8; Jeremias 36.2 (Veja também os versículos 4,6 e 28); Ezequiel 24.2; Hebreus 1.1; Tiago 5.10.

4. Qual é o único livro do Novo Testamento que registra Revelações dadas por Deus, para serem escritas nos moldes da Revelação do Antigo Testamento?
R: O livro de Apocalipse.

5. O que é Inspiração?
R: Inspiração é a atuação do Espírito na vida de homens estimulando-os a escrever e ao mesmo tempo impedindo-os de escreverem algo que contrariasse o ensino de Deus.

6. O que é Iluminação?
R: Iluminação é a atuação do Espírito Santo na mente dos leitores  pregadores da Bíblia Sagrada, fazendo com que entendam a Mensagem revelada e inspirada por Deus.
Nota: Estamos portanto, no período da Iluminação. Não é correto pedir que Deus revele algo ao pregador, ou que inspire o pregador: o certo é pedir que Deus ilumine o pregador.

7. A Bíblia é, não é, contém ou pode ser a Palavra de Deus?
R: A Bíblia é a Palavra de Deus.

8. O que significa o vocábulo (a palavra) Bíblia?
R: 1 “Do grego bíblia. Conjunto dos livros sagrados do Antigo e Novo Testamentos, aceitos pelas igrejas cristãs como revelação da palavra de Deus”. (Dicionário da Língua Portuguesa, Enciclopedia Britânica do Brasil, 5a edição, 1981).
2. O vocábulo Bíblia vem do grego biblion, que significa livro. É derivada de biblos, uma palavra grega que significa livros.
3. Etimologicamente falando, a palavra bíblia significa rolos de papiro. Os rolos de papiro eram chamados, pelos gregos, um biblion, de biblos. “papiro” Esta palavra é usada em Apocalipse 22.18-19.
5. A Bíblia é uma coleção ou biblioteca de livros sagrados. O nome Bíblia foi usado pela primeira vez, por Crisóstomo, no século IV
6. Rui Barbosa denominou a Bíblia, o Livro por Excelência.

9. Quem escreveu a Bíblia?
R: A Bíblia foi escrita por homens inspirados por Deus- II Timóteo 3.16; II Pedro 1.21.
10. O que é a Bíblia?
R: É a Palavra de Deus, é o Livro que registra a Revelação de Deus aos homens, é lâmpada para os me meus pés e luz para os meus caminhos - Salmos 119105 11.
11. Aproximadamente quantos homens escreveram a Bíblia?
R Cerca de 40.
11. Quantos anos demorou para que a Bíblia fosse escrita?
R: Cerca de 1500 anos.
13. Em que línguas a Bíblia foi escrita?
R: O Antigo Testamento em Hebraico, e algumas partes em Aramaico (Esdras 4.8 a 6.18; 7.12-26; Jeremias 10.11; e Daniel 2. 4 ao capítulo 7, versículo 28); e o Novo Testamento em Grego.
14. Em quantas grandes partes a Bíblia é dividida? Quais são elas?
R: A Bíblia é dividida em duas grandes partes. O Antigo Testamento e O Novo Testamento.
15 Quantos Livros tem a Bíblia?
R: A Bíblia tem 66 Livros.
16. O que significa O vocábulo “apócrifo”?
1. “Do grego” apokruphos: significa também, oculto, escondido, encoberto.
2. Algo duvidoso, de origem incerta, espúrio, de origem duvidosa.
3. No quarto século d.C., Jerônimo, o tradutor da versão denominada Vulgata latina. (a Vulgata é uma das versões da Bíblia Sagrada) empregou a palavra apócrifo na sua introdução aos livros que chamamos, até hoje, de apócrifos. Jerônimo também denominou os livros apócrifos de livros secretos, ocultos, misteriosos.

17. Faça uma breve dissertação sobre os livros apócrifos e as adições apócrifas do Antigo Testamento.
R: Os livros apócrifos são sete: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, 1o Macabeus e 2o Macabeus. Os livros apócrifos e as adições apócrifas foram acrescentados à Bíblia no Período Interbíblico (cerca de 400 anos, quando não houve Revelação alguma de Deus aos homens, não surgiu nenhum Escrito Inspirado por Deus, e nenhum profeta levantou-se, afirmando estar falando em Nome de Deus), na primeira versão do Antigo Testamento para a língua grega. A versão foi denominada a Septuaginta ou a Versão dos Setenta.

18. Quais são as adições apócrifas?
R: Além da inclusão dos livros apócrifos houve acréscimos ao Livro canônico de Ester (Ester 10.4 a 16.24) e ao Livro can6nico de Daniel (capítulos 13 e 14).
Notas: 1a - Sabemos que o Nome de Deus não aparece no Livro de Ester. Os tradutores da Septuaginta, desejosos de “colaborar” com este Livro Inspirado por Deus, fizeram acréscimos ao Livro de Ester, colocando nele o Nome de Deus. Os acréscimos possibilitaram que o Livro de Ester tivesse uma forte conotação religiosa. Mardoqueu e Ester fazem longas orações. No final do Livro, os tradutores incluíram no Texto sacro, um resumo do que Mardoqueu e Ester fizeram.
2a - No Livro de Daniel houve três acréscimos: Suzana, Bel e o Dragão, e o Cântico das Três Crianças.
19. Em que parte da Bíblia foram colocados os livros apócrifos e as adições apócrifas?
R: No Antigo Testamento.
20. Os judeus consideram a Bíblia, Antigo e Novo Testamentos, como sendo Inspirados por Deus?
R: Não. Eles consideram apenas o Antigo Testamento como sendo Inspirado por Deus.
21. Quantos Livros tem o Antigo Testamento?
R: 39 Livros.
22. Quantos Livros tem o Novo Testamento?
R: 27 Livros.
23. Como os judeus dividem o Antigo Testamento?
R: Os judeus dividem o Antigo Testamento (para eles, a Bíblia completa) em três partes:
(1a) A Torah ou a Lei, ou a Lei de Moisés ou os Cinco Livros de Moisés - 5 Livros (Gênesis, Êxodo, Levitico, Números e Deuteronômio). Jesus referiu-se a esta parte da Bíblia hebraica: “Responderam-lhe: Então  por que mandou Moisés dar-Ihe carta de divórcio e repudiá-la?” -Mateus 19.7; João 1.17 – “Porque a lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo”; João 5.46- “Pois se crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim ele escreveu”.
(2a) O Nebiin, os profetas - 8 Livros (Josué; Juizes; 1 Samuel e 2 Samuel num Livro só; 1 Reis e 2 Reis num Livro só; Isaías; Jeremias; Ezequiel; e num livro só, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias. Os Profetas são divididos em Profetas Anteriores (Josué; Juízes; 1 e 2 Samuel) - Total: 4 Livros, e Profetas posteriores (Isaías Jeremias Lamentações de Jeremias e Ezequiel; e num Livro só - Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias - Total: 4 Livros). Jesus referiu-se a esta parte da Bíblia hebraica: Mateus 5.17; Mateus 7.12; Lucas 24.27, Lucas 16.29.
 (3a) 0 Quetubim (ou Kethubim), os Escritos (também denominados os Salmos, ou as Outras Escrituras) - 11 Livros (Salmos; Provérbios; Jó; Cantares de Salomão (ou, Cântico dos Cânticos); Rute; Lamentações de Jeremias; Eclesiastes; Ester,. Daniel; Esdras e Neemias num Livro só; 1 Crônicas e 2 Crônicas num Livro só. Jesus referiu-se a esta parte da Bíblia hebraica: Lucas 24.44 (Veja que neste versículo Jesus cita as três partes em que a Bíblia hebraica, o Antigo Testamento é dividido). Na literatura teológica, o Quetubim tem o nome de literatura hagiógrafa, e significa os Sagrados Escritos. É a maior parte das Escrituras Sagradas. O livro do profeta Daniel é colocado nos Escritos e não nos profetas. Isto ocorre, porque a Mensagem do Livro de Daniel é diferente da Mensagem dos outros profetas: Daniel  profetiza a respeito dos outros povos e não a respeito da nação judaica. Cantares de Salomão (ou, Cântico dos Cânticos), Rute, Lamentações de Jeremias, Eclesiastes e Ester são chamados de os Cinco Rolos.
Notas: 1a - Na época em que Jesus esteve entre nós, em forma humana, o Cânon do Antigo Testamento já estava concluído, totalizando 39 livros.
2a - Oficialmente, a decisão de que nenhum outro Livro fosse acrescentado à coleção de Livros Sagrados existentes - os 39 Livros do Antigo Testamento - aconteceu na última década do primeiro século de nossa era. Foi no concílio judaico, ocorrido na cidade de Jânia.
3a - O Cânon do Antigo Testamento (composto de 39 Livros, segundo os evangélicos ou de 24, segundo os judeus é reconhecido pelos judeus, pelos cristãos evangélicos e pelos cristãos ortodoxos).
 
24. Para efeito de estudo, como os evangélicos, dividem o Antigo Testamento?
R: Pentateuco, Livros Históricos, Livros Poéticos e Livros Proféticos (ou Profetas). 25. Como são divididos os Livros Proféticos (ou os Profetas)?
R: Em Profetas Maiores e Profetas Menores.
26. Quantos e quais são os Livros que compõem o Pentateuco?
R: 5 Livros: Gênesis, Êxodo, Levitico, Números e Deuteronômio.
27. Quantos e quais são os Livros Históricos?
R: São 12: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel. 1 e 2Reis, 1 e 2Crônicas, Esdras, Neemias e Ester.
28. Quantos e quais são os Livros Poéticos?
R: São 5: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares de Salomão (ou Cântico dos Cânticos).
29. Quantos e quais são os Livros Proféticos?
R: São 17 LIvros: Isaias, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.
Nota: Os Profetas são divididos em Profetas Maiores (assim chamados porque escreveram em maior quantidade) - 5 Livros -Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel e Daniel Profetas Menores (assim chamados porque (escreveram em menor quantidade) - 12 Livros -Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.

30. Quantos e quais são os Profetas Maiores?
R: São 5 - Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel e Daniel.

31. Por que são chamados de Profetas Maiores?
R: Porque escreveram em maior quantidade.

32. Quantos e quais são os Profetas Menores?
R: São 12 Livros: Oséias, Joel, Amós, abadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.
 
33. Por que são chamados de Profetas Menores?
R: Porque escreveram em menor quantidade.

34. Discorra sobre o Período Interbíblico.
R: Interbíblico significa entre a Bíblia, entre os dois Testamentos (entre o Antigo e o Novo Testamentos). No espaço compreendido entre o final do Livro do profeta Malaquias e o surgimento de João, o Batista, anunciando a Vinda de Jesus Cristo ao mundo, houve um período de silêncio da parte de Deus. Deus não se manifestou até à Vinda do Messias Prometido o único Salvador da humanidade, Jesus Cristo. O livro de Malaquias termina com a promessa do precursor de Jesus, João, o Batista (capítulos 4 .4-6 e 3.1). Essa promessa se cumpre em Mateus 3.1 Esse período é denominado Período Interbíblico Podemos também chamá-lo de Intervalo entre os dois Testamentos ou Período Intertestamental. Esse Período durou cerca de 400 anos Durante aquele tempo, não houve Revelação alguma de Deus aos homens. Também não surgiu nenhum Escrito Inspirado por Deus. Ainda, nenhum profeta levantou-se, afirmando estar falando em Nome de Deus. Durante o Período Interbíblico, o povo de Israel esteve escravizado e foram oprimidos por diversos reis pagãos. As tribos de Israel deixaram de existir. No Período Interbíblico, surgiu a primeira versão do Antigo Testamento, para a língua grega, a Septuaginta.

35. Para efeito de estudo, como é dividido o Novo Testamento?
R: Evangelhos, Livro Histórico, Cartas (ou Epistolas) Paulinas (do apóstolo Pauto) Cartas (ou Epistolas) Gerais e Livro Profético.

36. Quantos e quais são os Evangelhos?
R: São 4 - Mateus, Marcos, Lucas e João.

37. O que significa o vocábulo Evangelho?
R: Vem da palavra grega evaggelion e significa Boas Novas Boas Novas trazidas por Jesus aos seres humanos. Significa, portanto Boas Novas de Salvação

38. O que significa a palavra sinóptico?
R: Vem do grego (sun-optikos) e significa “visto juntamente” ou “visto do mesmo ponto de vista”
39. Quais são os Evangelhos Sinóticos?
R: Mateus, Marcos e Lucas.
40. Por que Mateus, Marcos e Lucas são chamados de Evangelhos Sinóticos?
R: Porque têm o mesmo plano de narrativa.
41. Qual é o Livro Histórico do Novo Testamento?
R: O Livro dos Atos dos Apóstolos
42 Quantas e quais são as Cartas do apóstolo Paulo?
R: São 13 Romanos, 1 e 2 aos Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 e 2 aos Tessalonicenses, 1 e 2 a Timóteo, Tito e Filemom.
43. Quais são as Cartas Gerais?
R: São: Hebreus; Tiago; 1 e 2 Pedro; 1, 2 e 3 João; e Judas.
44. Qual é o Livro Profético do Novo Testamento?
R: O Livro de Apocalipse.
45. Os Livros da Bíblia sempre foram divididos em Capítulos?
R: Não. A divisão da Bíblia em Capítulos foi realizada em 1250, pelo cardeal Hugo de Saint Clair, um abade dominicano.
46. Os Livros da Bíblia sempre foram divididos em Versículos?
R: Não. Dois autores citam pessoas e datas diferentes para a divisão do Antigo Testamento, em versículos: José Ferreira afirma que a divisão foi efetuada em 1527, pelo dominicano Saintes Pagnino; J. Cabral declara que a , divisão foi realizada em 1445, pelo Rabi Nathan.
A divisão do Novo Testamento em versículos, é atribuída a Robert Stevens, que a realizou em 1551.
47. Mencione um título que a Bíblia dá a si mesma.
R: Palavra de Deus - Deuteronômio4.1-9;17.14-20; Josué 23.1-6; 1 Reis 8.54-61 ; 1 Crônicas 22.6-12; Salmos 19.1-14; Isaias 2.1-5; Isaias 34.12-16; Mateus 5.17-20; Atos 13.26-35,44; Atos 17.10-12; Romanos 15.1-13.

4. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE A ÁREA DE TEOLOGIA.

PERGUNTAS REFERENTES À TEOLOGIA (como ciência)

1. O que é Teologia?
R: É a ciência (ou disciplina, doutrina) que estuda quem é Deus e a sua relação com a obra criada por Ele. Theós = Deus; Logos = ciência, estudo. Teologia é o Logos-de Theós. A Teologia busca compreender a Deus e a sua obra.

2. Qual é a função do teólogo?
R: Descobrir na Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, quem é Deus e como Ele relaciona-se com a obra criada por Ele. Não é competência do teólogo produzir, fabricar Teologia, mas sistematizar a Teologia bíblica.

3. Em quantas e quais partes a Teologia pode ser dividida?
R: Geralmente é dividida em quatro partes: 1a Teologia Bíblica - busca o significado do Texto Bíblico e classifica-o de acordo com os Livros e os autores da Bíblia;
2a  Teologia Histórica (é dividida em História da Doutrina e História Eclesiástica) -elabora a história das doutrinas e a história das Igrejas;
3a - TeoloGia Sistemática - procura sistematizar, reunir num corpo de doutrinas, tudo o que a Teologia Bíblica e a Teologia Histórica fornecem;
4a - Teologia Prática - Trata da aplicação da Teologia Bíblica e da Teologia Histórica na vida dos seres humanos, tendo como alvo a sua regeneração, santificação e edificação (Evangelismo, Missões, Ação Social e Homilética, são algumas áreas abrangidas pela Teologia Prática).

4. Cite alguns ramos abrangidos pela Teologia Sistemática.
R: 1o - Teologia - Deus.
2o - Cristologia - Cristo.
3o - Pneumatologia - Espírito Santo.
4o – Antropologia – Homem.
5o – Hamartiologia – Pecado.
6o – Soteriologia – Salvação.
7o – Escatologia – Últimos Acontecimentos.


PERGUNTAS REFERENTES A DEUS (Teologia)

1. Defina Deus.
R: Deus é indefinível jamais a criatura poderá definir o seu Criador.

2. Quem é Deus?
R: 1. “Deus é um Espírito Pessoal perfeitamente bom, quem em santo amor, cria sustenta e governa todas as coisas”.  A. B. Langston.
Nota: Se o candidato responder que Deus é tudo o que não e raro acontecer, o examinador deve perguntar “Então, Deus e árvore Deus e asfalto, etc?”
2.  Deus e Criador;
2.1. do universo, da terra e de tudo o que há nela - Gênesis 1.19; Jó 38.4-10; Salmos 102.25; 104.1-10,16,19,20; 24-35; 148.3-6; Cl I.16;
2.2. dos seres animais irracionais - Gênesis 1. 20-25;
2.3. dos seres humanos - Gênesis 1.26; Isaias 40.26-28; 66.1-2};

„« Deus é único- Êxodo 15.11 Isaías 45.21;
„« Deus é mantenedor dos animais irracionais - Salmos 104.11-13,17,18,21,28; Romanos 8.2;
„« Deus é sustentador dos seres humanos - Salmos 104.14,15,23:
„« Deus é sustentador do universo - Neemias 9.6; Salmos 36.6; 104.10-15; Mateus 6.26-30.

3. O que significa o vocábulo atributos?
R: São as qualidades de algo ou de alguém. Os atributos demonstram a existência de um ser.

4. O que significa a expressão Atributos Naturais de Deus?
R: São os Atributos que somente Deus possui. O homem, não tem esses atributos.

5. Cite alguns Atributos Naturais de Deus.
R. 1. Onisciência - Deus possui todo o conhecimento; sabe todas as coisas (Salmos 44.20,21; 139.1-4; Jr 17.10; Lucas 12.7). Graças à sua Onisciência, Deus é Justo e julga com justiça, conhecendo as intenções ocultas dos homens.
R. 2. Onipresença - Deus está em todo o lugar; não está limitado no espaço (Salmos 139.7-12; Amós 9.2-4).

Nota: Cuidado para não confundir a Onipresença com o Panteísmo: crença oriental e esotérica de que Deus está em todas as coisas. Deus é o Criador de todas as coisas, mas não está em todas as coisas: a cozinheira faz um pastel, mas o pastel não é uma parte da cozinheira.
3. Onipotência - Deus tem todo o poder: nada é impossível para Ele (Êxodo 15.18; Jó 42.2; Salmos 115.3; Lucas 1.37; 18.27).
4. Auto Existência - Deus não teve principio (Salmos 902; 102.24 Isaías 57.15).
5. Eternidade - Deus não tem fim (Salmos 90.2; Apocalipse 22. t 3).
6. Imutabilidade - Deus não muda: é sempre o mesmo (Salmos 102.27; Isaias 48.12; Ml 3.6a; Tiago 1.17).
7. Soberania - Deus é o Senhor de tudo o que existe (Jr 18. 5-10 Daniel 2.20,21; 4.35).
8. Deus é Salvador - Isaias 45.21; 2 Tessalonicenses 2.13.
9. Deus é Galardoador - Apocalipse 7.9-17; 21.1-8; 22.12.

6 . O que significa a expressão Atributos Morais de Deus?
R: São os Atributos de Deus demonstrados no seu relacionamento com a Sua criação, de uma forma ampla e de maneira particular, com os seres humanos. Os homens, podem adquirir os Atributos Morais de Deus (Salmos 15.1,2; Gálatas 5.22; 1 Pedro 1.16).
Nota: Jamais teremos de forma completa, perfeita, os Atributos Morais de Deus.

7. Cite alguns Atributos Morais de Deus.
R: 1. Santidade - Êxodo 3.1-6; Levítico 11.44; 19.2; Deuteronômio 32.4: Josué 24.23; Salmos 99; Mateus 5.48; Tiago 1.13.
2. Bondade - Naum 1.7; Lucas 18.18, 19.
3. Amor João 15.9-11; Efésios 2.4; 1 João 3.1; 4.8,16,19; Apocalipse 13.2.
4. Justiça - Deuteronômio 10.17; 32.4; Salmos 76; 96.10, 13; Romanos 1.5, 18-25; Colossenses 3.25; 4.1.
5. Perdão - Isaias 55.7; 43.25; Jeremias 31.34; Mateus 6.12.
 6. Paciência (Longanimidade) - 2 Pedro 3.1-18.
 7. Deus é Consolador – Isaias 51.12; João 14.15-27; 16.5-15; 16.16-33.

8. Qual é a  Essência de Deus?
  R: É o amor.

9. O que é uma Teofania? Exemplifique.
  R: É a aparição de Deus em forma visível aos homens (Gênesis 12.7; 18.22-33; 35.9; Êxodo 14.19; Josué 5.13-15; 6.1,2).

 5. PERGUNTAS REFERENTES A CRISTO JESUS (Cristologia).


1. Cite alguns nomes que são dados a Jesus?
  R: 1. Jesus (hebraico, Jehoshua, Jeová é Salvação) - Significa Salvador - Mateus 1.21.

  R: 2. Cristo (grego) - Significa Ungido - Mateus 16.13-17.

  R: 3. Messias (hebraico) - Significa Ungido - João 1.41; 4.25; Mateus '.18; 16.16,20; 26.63; 27.22; Marcos 8.29; 14.61; Lucas 2.11,26; 9.20; 22.67; João 4.29: 7.26 e seguintes; João 9.22; 10.24; Atos 2.36; 3.20; 4.26 e seguintes: Atos 5.42; 9.22; 17.3; 18.28; 26.23.

  R: 4. Emanuel (hebraico) -Significa Deus conosco ou Deus está conosco - Isaias 7.14; 8.8; Mateus 1.23.

5. Quem é Jesus?
  R. 1. Jesus é Criador:

  R: 1.1. Criador de todas as coisas - João 1.1-3; Colossenses 1. 13-16 1.

  R: 1.1. Criador do homem (genérico - homem e mulher) - Gênesis 1.26-27; “Façamos, nossa” incluem Jesus como Criador do homem.

  2. Jesus é a Segunda Pessoa da Trindade Divina - Mateus 28.19. (Veja também a parte deste capítulo que trata da Trindade Divina).

  3. Jesus é Deus - João 1.1; 5.18,19,23; 10.30; 14.13,14; 17.5; 20.28,29; Atos 7.55-59; Romanos 10.9; I Coríntios 11.23-25; Filipenses 2.5-11; Colossenses 2.9; II Timóteo 4.18; Hebreus 1.6; 13.20-21; I João 5.20; Apocalipse 5.11-14.

  4. Jesus é O Único Salvador da humanidade - Isaías 53.6,7,10; Lucas 2.21; João 1.29; 5.24; 3.36; 6.47; 11.25; 14.6; Atos 4.12; Colossenses 1.20 1 Timóteo 2.5-6 Hebreus 7.25-28; 1 Pedro 1.18-19; Apocalipse 7.13-15.

  5. Jesus é Intercessor - João 14.13; Hebreus 7.25.

  6. Jesus é Filho de Deus - Mateus 3.17; Marcos 1.11; Lucas 3.22; Mateus 11.27; Mateus 12.18; Mateus 16.16,17; Mateus 17.5; João 1.34; João 14.13; João 17.1,5; Romanos 1.4; Romanos 5.10; 8.3,31,32; I Coríntios 1.9.

  7. Jesus é o Único Filho de Deus - João 3.16 (Se Deus tivesse outros filhos, Jesus não seria o unigênito, mas o primogênito).

  8. Jesus é o Pão da Vida - João 6.30-35;57,58.

  9. Jesus é o Verbo -João 1.1-17.

10. Jesus é “a Palavra de Deus” - Apocalipse 19.13 (Na Versão revisada a expressão “a Palavra de Deus” foi traduzida por “o Verbo de Deus”).

 11. Jesus É Aquele em quem está a vida que é a Luz dos homens Jo 1.4. 12.

 12. É a Palavra da Vida - I João 1.1.

  Nota: Na Versão revisada a expressão “a Palavra da Vida” foi traduzida por “o Verbo da Vida”.

 13. Jesus tem os mesmos Atributos de Deus:

 13.1. Onisciência (Jesus é Onisciente) - Mateus 9.4; Marcos 2.8; Lucas 5.4-6;
22.10-13; João 1.43-50; 2.24,25; 4.16-18; 13.1; 16.30; Colossenses 2.2-3.

  13.2. Onipotência (Jesus é Onipotente) -Mateus 8.16; Mateus 8.26,27; Mateus 28.18; Lucas 4.33-36; Lucas 7.12-15; Lucas 8.52-55; João 11.43-44.

13.3. Onipresença (Jesus é Onipresente) - Mateus 18.20; Mateus 28.18-20; Efésios 1.20-23.

13.4 Eternidade (Jesus é Eterno) - Miquéias 5.2; João 1.1-2; João 8.58; Romanos 9.5; Colossenses 1.17; Hebreus 6.20; Hebreus 7.24,25.

13.4. Jesus tem Existência Própria - João 5.26; Hebreus 7.16.

13.5. Imutabilidade (Jesus não muda) - Hebreus 13.8.

13.6. Santidade (Jesus é Santo) - Lucas 1.35; João 6.69; Hebreus 7.26,. Apocalipse 3.7.

13.7. Impecabilidade (Jesus nunca pecou) - Isaías 53.9; João 8.46,. II Coríntios 5.21; Hebreus 4.15; 1 Pedro 3.18.

13.8. Jesus é Criador - João 1.3; I Co 8.6; Colossenses 1.16; Hebreus 1.8-10.

13.9. Jesus é amor - João 15.13. 43.

14. Jesus é Deus e foi adorado como Deus - Mateus 14.33; 28.9; João 1.1,18; 9.38;14.8-9; Filipenses 2.6-7; 10; Hebreus 1.6.


3. Quando estava entre nós, Jesus era Deus ou era homem?

R: Jesus era perfeitamente homem e perfeitamente Deus.
ƒæ Teve fome - Mateus 4.2;
ƒæ Dormia - Mateus 8.24.
ƒæ Teve compaixão - Mateus 9.36.
ƒæ Entristecia-se - Mateus 26.26,28,38.
ƒæ Amava - Marcos 10.21.
ƒæ Nasceu em forma humana - Lucas 1.31 e Lucas 2.5-7.
ƒæ Crescia  - Lucas 2.40,42,46.
ƒæ Alegrava-se - Lucas 10.21.
ƒæ Sofria - Lucas 22.44.
ƒæ Tinha um corpo humano - Lucas 24.39, João 1.14; 6.51,53-56; 19.33, II Co 5.16, Rm 1.3; 8.3, Ef 2.14, 1 Tm 3.16, Hebreus 2.9,14,17,18; 5.7; 10.20, I Pedro 2.24; 4.1, I João 4.1-3 e II João 7.
ƒæ Cansava-se - João 4.6,7.
ƒæ Sofria - João 11.33.
ƒæ Chorava - João 11.35.
ƒæ Sentia sede - João 19.28-30.
ƒæ Sofreu tentação - Hebreus 4.15.

  Nota: Para provar que Jesus é perfeitamente Deus pode ser mencionado João 10.30, assim como os milagres realizados por Ele, como por exemplo o seu poder sobre a natureza acalmando o mar agitado.

4. Que é União Hipostática?
  R: É a união das duas naturezas, humana e divina, na Pessoa de Cristo.

5. Quais são os três Ministérios e os três Ofícios de Jesus?
  R: 1. Profeta - Mateus 14.5.
  2. Sacerdote - Hebreus 2.17; 3.1; 6.20; 7.26-28; 8.1; 9.11,12, 28.
  3. Rei - Salmos 2.6-8; Mt 5.35; 21.5; 25.31,32; Lc 19.38; Jo 18.36,37; I Tm 6.15;  II Pedro 2.11; Apocalipse 17.14; Apocalipse 19.16.

6. Qual é a Obra de Jesus?
  R: 1. Sustentar todas as coisas pela Palavra do Seu Poder - Hebreus 1.1-4.
  R: 2. Salvar a humanidade -João 3.16.

7. Onde encontramos a primeira promessa da Vinda de Jesus como Redentor da humanidade?
  R: Em Gênesis 3.14,15.

8. O que é uma Cristofania?
  R: É a aparição de Cristo em forma visível aos homens.


  6. PERGUNTAS REFERENTES AO ESPÍRITO SANTO (Pneumatologia)

1. O Espírito Santo é uma coisa, uma influência ou uma pessoa?
 R: O Espírito Santo é uma Pessoa.

2. Quem é o Espírito Santo?
 R: 1. O Espírito Santo é Criador - Criador do homem (genérico – homem e mulher) Gênesis 1.26 – “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra”.
2. O Espírito Santo é uma Pessoa
2.1. O Espírito Santo ajuda -João 15.26.
2.2. O Espírito Santo ama - Romanos 15.30.
2.3. O Espírito Santo consola - João 1.1.16-17.
2.4. O Espírito Santo dá testemunho, testifica – João 15.26; Hebreus 10.15.
2.5. O Espírito Santo toma decisões - Atos 15.28.
2.6. O Espírito Santo ensina - Lucas 12.12; I Coríntios 2.13.
2.7. O Espírito Santo entristece-se - Efésios 4.30.
2.8. O Espírito Santo fala – Mt 10.20; João 16. 13; Atos 8; 10,19; 13.2; 20.22, 23, Apocalipse 2.7 (veja também os versículos 11 e 29)
2.9. O Espírito Santo guia - João 16.13; Romanos 8.14 .
2.10. O Espírito Santo intercede - Romanos 8.26,27.
2.11. Pode-se mentir ao Espírito Santo - Atos 5.3.
2.12. O Espírito Santo dá ordens -Atos 8.29.
2.13. O Espírito Santo pode ser resistido - Atos 7.51.
2.14. O Espírito Santo realiza milagres - Ezequiel 8.3; 11.24; Atos 10.38.
2.15. O Espírito Santo esquadrinha as profundezas de Deus - I Co 2.10, Hb 10.29. 2.16. O Espírito Santo vocaciona homens - Atos 13.2; Atos 20.22,23.

3. O Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Trindade Divina - Mateus 28.19.

4. O Espírito Santo é Deus:
4.1. Pedro referiu-se ao Espírito Santo como Deus -Atos 5.3-4.
4.2. O Espírito Santo é Onipotente (Isaías 11.2; Lucas 1.35; Romanos 15.19).
4.3. O Espírito Santo é Onipresente - Salmos 139.7-10.
4.4. O Espírito Santo é Onisciente - João 14.26; João 16.13; ICoríntios 2.9-11.
4.5. O Espírito Santo é Eterno - Hebreus 9.14.
4.6. O Espírito Santo é a Verdade- João 16.13.
4.7. O Espírito Santo é Santo - Como o seu próprio nome diz: Espírito Santo.
5. O Espírito Santo é Consolador - João 14.16.
6. O Espírito Santo é Onisciente - Isaías 40.13.

3. Qual é a Obra do Espírito Santo?
R: 1. Dar testemunho de Jesus -João 15.26.
R: 2. Convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo de Deus. Jo 16.8-11.
4. Cite algumas Manifestações do Espírito Santo no Antigo Testamento.
R: Gn 2.2; Números 24.2,18; Juízes 3.10; 6.34; 11.29; 13.25; 14.6; 14.19;15.14, 1Samuel 10.6,10; 11.6; 16.13-14; 19.20-23; 2Samuel 23.2; 1Reis 18.12; 22.24; 2Reis 2.16; 2Crônicas 15.1; 18.23; 20.14; 24.20; Neemias 9.30; Jó 33.4; Salmos 51.11; 139.7.
 
5. No Antigo Testamento, o Espírito Santo habitava nas pessoas de forma permanente?
R: Não (Veja os versículos mencionados na resposta anterior)

6. Cite algumas Manifestações do Espírito Santo no Novo Testamento.
R: 1. Maria foi concebida pelo Espírito Santo - Mateus 1.18-20.
R: 2. O Espírito Santo desceu sobre Jesus no dia do Seu batismo - Mateus 3.16.
R: 3. O Espírito Santo conduziu Jesus ao deserto - Mateus
R: 4. O Espírito Santo transportou Filipe para pregar ao eunuco e o levaram de volta - Atos 8.29,39.
R: 5. O Espírito Santo auxiliou as igrejas e elas se multiplicavam - Atos 9.31.
R: 6. Espírito Santo falou com Pedro - Atos 10.19.
R: 7. O Espírito Santo falou com a igreja que estava em Antioquia - At 13.1-2.
R: 8. O Espírito Santo enviou a Barnabé e a Saulo - Atos 13.4.
R: 9. O Espírito Santo impediu a Paulo e a Timóteo de anunciar a Palavra de Deus na Ásia, e em Btínia - Atos 16.6-7.

7. Em o Novo Testamento, o Espírito Santo habitava nas pessoas de forma permanente?
R: Sim.

8. Quando os salvos recebem o Espírito Santo?
R: No momento da conversão a Jesus Cristo. Romanos 8.9 - "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele".
Para ser salvo é preciso ter o Espírito Santo.

9. Quais são os frutos do Espírito Santo?
R: "Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei" - Gálatas 5.22-23.
  
 PERGUNTAS REFERENTES À TRINDADE DIVINA.

1. A palavra Trindade é encontrada na Bíblia?

R: Não. A Bíblia não registra o vocábulo Trindade, porém registra os seus componentes: Pai (Deus), Filho (Jesus Cristo) e Espírito Santo.

Um dos “fortes” “argumentos” contra a existência da Trindade divina é que a palavra Trindade não aparece sequer uma vez na Bíblia.
A declaração de que o vocábulo Trindade não aparece na Bíblia é verdadeira, todavia não é correta a conclusão de que a Trindade divina não existe, porque não encontramos a palavra Trindade na Bíblia.
Se usarmos a mesma linha de raciocínio, podemos afirmar que há erros na Bíblia, por exemplo, na Bíblia não encontramos H20 e sim água: os conhecedores de química poderiam afirmar que Deus não criou a água e sim H20 (a água é composta de duas partículas de hidrogênio e uma partícula de oxigênio).
 Também não poderíamos, biblicamente, combater vícios como, cigarro, cerveja, cachaça, uísque, conhaque, maconha, cocaína, crack, heroína, entre outros, pois não encontramos estas palavras na Bíblia.
A Bíblia não menciona algumas denominações evangélicas e seitas, tais como Presbiteriana, Metodista, Assembléia de Deus, Testemunhas de Jeová, Adventista do Sétimo Dia, Universal do Reino de Deus, etc, e nem por isso elas deixam de existir. Escora Bíblica Dominical: encontramos na Bíblia? Então por isso ela não existe? E a Convenção Batista de São Paulo, está na Bíblia? Inúmeros outros exemplos poderiam ser dados, de organizações que existem e não estão escritas na Bíblia.

2. O que é a Trindade Divina?
R: 1. É como Deus se revela a si mesmo, na Bíblia, numa existência tríplice.
R: 2. O Pai é Deus - João 4.23; 6.27; 1Coríntios 8.6; Efésios 4.6 1Pedro 1.2
R: 3. O Filho, Jesus, é Deus - João 10.30; Romanos 9.5; Colossenses 2.8-9
R: 4. O Espírito Santo é Deus - Mateus 1.18-20; 12.32; Lucas 12.12; João 14.26.

Notas: 1a - A Água. Ela tem uma só natureza, uma só essência. Mesmo sendo uma unidade, a água pode ser uma unidade e uma trindade, pois é encontrada em três estados, a saber: líquido, sólido e gasoso, sem deixar de ser água.
 2a. O homem. Ao mesmo tempo, o homem é uma só criatura e uma trindade: porque é constituído de três partes: alma, mente e corpo. A alma é nossa parte espiritual; a mente, a parte intelectual; e o corpo a parte física. As três partes não nos dividem. Continuamos sendo uma unidade, uma só pessoa, um só indivíduo.
 3a.  Deus nos revelou a essência da Doutrina da Trindade, sem deter-se em detalhes.
 4a. O ser humano, crê em muitas verdades às quais não conseguimos entender e/ou explicar. Entre muitas, os sentimentos dor, a morte, a vida, a eletricidade... Se por um lado, na Bíblia é claríssimo Doutrina da Trindade divina, por outro lado é inegável a nossa dificuldade em compreender esta Doutrina.
Isto ocorre porque jamais a criatura conseguirá explicar perfeitamente quem é o seu criador e o finito não consegue entender em sua inteireza o infinito.
A nossa limitação humana é a causa da dificuldade em explicar perfeitamente a Doutrina da Trindade. Para aquilo que não conseguirmos entender e explicar sobre a Trindade divina, basta-nos a declaração feita por Deus: “As coisas encobertas pertencem ao Senhor no Deus, mas as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que observemos todas as palavras desta Lei” - Deuteronômio 29.29.
Também são pertinentes as declarações paulinas: “Pois, qual dos homens entende as coisas do homem, senão o espírito do homem que nele está? assim também as coisas de Deus, ninguém as compreendeu, senão o Espírito de Deus” - 1Coríntios 2.11; “Porque agora vemos como por espelho, enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido” 1Coríntios 13.12.

3. O que é a Triunidade Divina?
R: É a unidade, a harmonia existente entre as Três Pessoas da Trindade. (Tri = três; Unidade = um).

4. Prove a existência da Trindade Divina no Antigo Testamento.
R: 4.1. Gênesis 1.22 – “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra”.
R: 4.2. Gênesis 11.7 – “Eia, desçamos, e confundamos ali a sua linguagem, para que não entenda um a língua do outro”.
R: 4.3. Isaias 6 - “E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos exércitos; a terra toda está cheia da sua gI6ria”.

5. Prove a existência da Trindade Divina em o Novo Testamento.
R: Mateus 3.16, 17; João 14.16.

 

7. PERGUNTAS REFERENTES Á ANTROPOLOGIA (Doutrina Do Homem)


1. Qual é a origem do homem?
R: O homem foi criado por Deus, por Jesus e pelo Espírito Santo Gênesis 1.26 – “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra”.

2. De que maneira o homem é imagem e semelhança de Deus, de Jesus e do Espírito Santo?
R: O homem é imagem e semelhança de Deus, de Jesus e do Espírito Santo na capacidade de sentir, de amar e de criar.

3. Quando Deus criou o homem, o homem era perfeito, sem pecado?
R: Sim- Gênesis 2.15-17; Eclesiastes 7.29.


4. Em relação ao homem, o que é Dicotomia e Tricotomia?
R: 1. Dicotomia é a crença a de que o homem é composto de duas partes: o corpo e a alma ou espírito (alma e espírito são a mesma coisa).
2. Tricotomia é a crença de que o homem é composto de três partes: o corpo, a alma e o espírito - Provérbios 20.27; Isaías 57.15; 1Tessalonicenses 5.23; Hebreus 4.12.
 
2.1 - O corpo é a matéria com que fomos criados - Gênesis 2.7: Gênesis 3.19; 18.27; Jó 10.9; 34.15.

2.2 - A alma é a vida - Gênesis 9.4-5. O espírito é a parte que nos identifica com Deus – “E o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que o deu” (Eclesiastes 12.7).

3. Corpo (ou Carne) e Alma (ou Espírito são unidades distintas uma da outra - Mateus 10.28; Marcos 14.38; Romanos 8.10; 1Coríntios 5.5; 1Coríntios 7.34; 1Ts 5.23; Hebreus 4.12; Tiago 2.26).

4. A alma está dentro do corvo do homem – Jó 32.8; Salmos 42.6; 1Coríntios 2.11.

5. Por ocasião da morte, há separação entre o corpo e a alma - Gênesis 35.18; Salmos 146.4; Eclesiastes 12.7; Lucas 8.54-55; João 19.30; Atos 7.59; 2Coríntios 5.1-8: Filipenses 1.23; 2Pedro 1.13-14; Apocalipse 6.9-10.

5. Discorra sobre o homem carnal e o homem espiritual.
R: Romanos 8.5-6: “Pois os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz”.
Leia também: Gálatas 6.18; Mateus 26.41; João 3.6; João 6.63; Romanos 7.7-25; 8.4; Romanos 8.9-13; 9.14; 1Corintios 2.14; 15.50; 2Corintios 10.3; Gálatas 5.16,17,24; 1 Pedro 4.2; 1 João 2.16.


8. PERGUNTAS REFERENTES A HAMARTIOLOGIA (Doutrina do Pecado).


1. Qual é a origem do pecado?
R: O pecado originou-se quando Satanás e alguns anjos rebelaram-se contra Deus. (Isaias 14.13,14; Ezequiel 28.11-19; Mateus 12.24-30).
A tentação que Adão e Eva sofreram demonstra que o pecado já existia antes deles pecarem.

2. Quando surgiu o pecado no mundo?
R: Quando Eva e Adão pecaram - Gênesis capitulo 3.
3. O que é pecar?
R: Pecar é errar o alvo estabelecido por Deus para o homem. Pecamos por pensamentos, atitudes e palavras.

4. Quem peca?
R: Todos os seres humanos: o pecado é universal - 1Reis 8.46; Salmos 11.1-3; 5.12; 1 João 1.10; 3.4; Tiago 1.14, 15. 5.

5. Os crentes pecam?
R: Sim - Romanos 3.9, 10.23; 7.15-24; Tiago 3.2; 1João 1.8-10.

6. Cite as duas classes em que os pecados podem ser divididos.
R: 1. Pecado da comissão - Praticar o pecado (ocorre quando pecamos fazendo algo que desagrade a Deus).

R: 2. O pecado da omissão - Deixar de fazer o bem - Tiago 4.17.

7. Cite duas conseqüências do pecado.
R: 1. O pecado separa o homem de Deus levando-o à morte espiritual - Romanos 3.23.
R: 2. O pecado leva o homem à condenação eterna - Romanos 6.23.

8. O que é o pecado original?
R: O pecado original foi o primeiro pecado que Adão cometeu.

9. O que é a imputação de pecados?
R: É a passagem do pecado de Adão a todos os seres humanos (Salmos 51.5; João 3.6; Romanos 3.9-19; 5.12; 1 Coríntios 5.19; Efesios 2.2-3).

10. Uma criança recém nascida peca?
R: Não. 2 Samuel 12 23.

11. Existe perdão para todos os pecados?
R: Sim. Romanos 5.8,9,. Colossenses 1.20; 1 João 1.7.

12. Existe algum pecado que não tem perdão? Qual?
R: Sim. A blasfêmia contra o Espírito Santo - Mateus 12.31.

13. O Que é a Blasfêmia contra o Espírito Santo?
R: É a rejeição ao Espírito Santo. Quem rejeita o Espírito Santo não será salvo, porque é Ele quem atua na conversão, “convencendo o homem do pecado, da justiça e do juízo de Deus” - João 16.8.


9. PERGUNTAS REFERENTES
   A SOTERIOLOGIA (Doutrina da Salvação).

1. A salvação é um ato ou um processo?
R: É um ato: ocorre no exato momento em que uma pessoa converte-se a Jesus Cristo, crendo nEle como único e suficiente Salvador (Lucas 23.42,43; João 5.24).

2. A santificação é um ato ou um processo?
R: É um processo que só termina com a morte -1 Pedro 1.15.

3. O crente pode perder a salvação?
R: Não - João 6.37; 10.27-29.

4. O que significa ser salvo?
R: 1. Ser salvo é ter a vida eterna é não ser condenado à perdição eterna é passar da morte para a vida - João 5.24.

R: 2. Ser salvo, é nascer de novo - João 3.3-6.
 
R: 3. Ser salvo, é ter a vida eterna pela fé em Cristo como único suficiente Salvador - Romanos 6.23; 1João 5.11-13.

R: 4. Ser salvo é tornar-se uma nova criatura - 2Corintios 5.17; Efésios 4.24.

R: 5. Ser salvo é deixar de ser criatura e passar a ser filho de Deus - João 1.12.

R: 6. Ser salvo é morrer com Cristo é deixar Cristo viver em si, é viver pela fé em Cristo - Galatas2.20

R: 7. Ser salvo é ir morar com Deus e com Jesus no céu após a morte - João 14.3; João 17.24

5. Se alguém deixar uma igreja e for para o mundo, perde a salvação?
R: Não. A salvação é eterna (veja a resposta à pergunta número um, sobre Soteriotogia).

6. O que é preciso fazer para ser salvo?
R: 1. Para ser salvo é preciso reconhecer os pecados cometidos - Lucas 23.41
 R: 2. Para ser salvo é preciso arrepender-se dos pecados cometidos Mateus 4.17; Lucas 16.30; Atos 3.19; 2Pedro 3.9; Apocalipse 9.20-21.
 R: 3. Para ser salvo é preciso confessar os seus pecados a Deus 1João 1.9
 R: 4. Para ser salvo é preciso entregar  a sua vida a Jesus, crendo nele  como único e suficiente Salvador - João 3.16 Atos 4 .12; 16.30; Efésios 2.8.
 R: 5. Para ser salvo é preciso declarar publicamente a sua fé em Jesus - Mateus 10.32; Lucas 12.8 Apocalipse 3.5; Romanos 10.9-11 João 4.15 .
7. Quanta custa a salvação?
 R: Nada é gratuita – Efésios 2. 6-9.

8. O que é a justificação?
 R: É o ato pelo qual Deus torna o pecador arrependido livre de culpa e por conseguinte de condenação - Gálatas 2.16

9. Porque é necessário que o homem reconcilie-se com Deus?
 R: Por causa da separação entre o homem e Deus motivada pelo pecado -Romanos 5.8-11; 2Corintios 5.18-19; Colossenses 1.20. Só Jesus Crista pode reconciliar o homem com Deus. Essa reconciliação é a Salvação que somente Jesus pode dar.

10. Qual foi o principal propósito no Plano de Deus para a salvação da humanidade?
 R: A morte de Cristo na cruz - Mateus 20.17-28; Romanos 5.6-11; 8.33-34; Efésios 1.7; 2Timóteo 1.10; Hebreus 2.14; 5.9; 9.14; 1Pedro 2.24; 1João 1.7.

11. Quem pode ser salvo? -  R: Timóteo 2.3-6; 2Pedro 3.9.

12. O que é o Reino de Deus?
 R: 1. O Reino de Deus é o céu. lugar onde todos os salvos habitarão eternamente:

1.1.  Enoque foi levado por Deus ao céu, ao Reino de Deus - Gênesis 5.24.

1.2.  Elias subiu ao céu, ao Reino de Deus - 2Reis 2.11.

1.3.  Moisés, juntamente com Elias, apareceu a Jesus no monte da transfiguração muitos séculos após terem morrido.

1.4. Onde estavam eles? No céu, o Reino de Deus - Mateus 17.3.

1.5.  Jesus dirá aos que salvou que possuam o reino de Deus, o céu, que está preparado desde a fundação do mundo - Mateus 25.34.

1.6.  Jesus ensinou que Lázaro, o mendigo, morreu e foi para o seio de Abraão, para o céu, para o Reino de Deus - Lucas 16.22. Observe que neste versículo, em sua segunda parte, referindo-se ao rico, encontramos a declaração de que o rico foi para o inferno, para o hades;

1.7.  O ladrão, crucificado ao lado de Cristo, recebeu de Jesus a garantia de que naquele mesmo dia, após a sua morte, estaria no Paraíso, no céu, no Reino de Deus, com Jesus - Lucas 23.42-43.
1.8.  Quando estava morrendo, Estevão declarou que viu o céu, viu o Reino de Deus - Atos 7.54-56,59-60.

1.9.  Jesus referiu-se ao céu como um lugar onde há muitas moradas - João 14.1-2 e prometeu que levaria os salvos para lá - João 14.3; 17.24.

1.10. O apóstolo Paulo afirmou que o céu é o lugar para onde os salvos vão, imediatamente após a morte - 2Coríntios 5.1-2,8; Filipenses 3.20.

1.11. O escritor da Carta aos Hebreus declarou que o céu a pátria celestial, a cidade, o lugar preparado por Deus para os salvos por Jesus - Hb 11.14-16.

1.12. O apóstolo Pedro disse que o céu é a herança incorruptível e incontaminável dos salvos - 1 Pedro 1.3-4.

 2. O Reino de Deus é o lugar onde Jesus e Deus habitam – João 3.13; Efésios 4.10; Leia Atos 7.54-56-60 no ponto anterior e veja que Estevão, além de ver o céu, viu a Deus e a Jesus, no céu.

3. No céu haverá uma multidão incontável de salvos. um número que não pode ser calculado - Apocalipse 19.1.

4. No céu não haverá apenas 144.000 pessoas - Os 144.000 citado em Apocalipse 14.3-4 são do sexo masculino e virgens.

5. Os 144.000 mencionados em Apocalipse não são de todas as nações povos e tribos, nem são os reis da terra, são de todas as tribos dos filhos de Israel Apocalipse 7.4-8 - 12.000 de cada uma das tribos de Israel.

 “Depois destas coisas olhei, e eis uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, que estavam em pé diante do trono e em presença do Cordeiro, trajando compridas vestes brancas, e com palmas nas mãos” - Apocalipse 7.9.

13. O que é o Inferno?
 R: 1. O inferno é um lugar preparado para o diabo e seus anjos - Mateus 25.41; 2 Pedro 2.4; Apocalipse 20.1-3; 10.

 R: 2. O inferno é um lugar de castigo eterno para quem não converter-se a Jesus - Salmos 9.17; Mateus 5.22; Mateus 13.41,42; Mateus 18.8-9; Mateus 25.46; Marcos 3;29; 2Tessalonicenses 1.7-9; Apocalipse 19.20; 20.15; 21.8.

 Nota: As palavras “sheol” (hebraica) e "hades" (grega), podem ser traduzidas por “sepultura” mas, também têm o sentido de “o mundo dos mortos”. Basta verificar os dicionários destas duas línguas


     10. PERGUNTAS REFERENTES
   A ANGELOLOGIA ou ANGEOLOGIA (Doutrina Dos Anjos)


 Nota: Não confunda Angelologia com Angiologia, que é a parte da Anatomia que ocupa dos vasos: artérias, veias capilares e vasos linfáticos.

1. Quem são os anjos?

 R: 1o  - Etimologicamente, anjos são “mensageiros”.

 2o - Anjos: “Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor dos que hão de herdar a salvação?” - Hebreus 1.14.

 3o - São criaturas um pouco mais elevadas do que os seres humanos - Hebreus 2.6-7.

 4o - Não tem os mesmos atributos de Deus - Hebreus 2.6-7.

 5o - São seres assexuados - não tem sexo - e por isso não se casam nem procriam (Mateus 22.23-30).

2. Quais são as categorias em que os anjos estão divididos?

 R: Anjos, Arcanjos, Querubins e Serafins.

3. Quem são os anjos decaídos?

 R: Satanás e os anjos que o seguiram - Isaias 14.12-15; 2Coríntios 11.14 (Satanás transforma-se em anjo de luz).

 

     11. PERGUNTAS REFERENTES
   A ESCATOLOGIA (Doutrina Dos últimos acontecimentos):


1. Qual é o fato mais importante da Escatologia?

R: A Segunda Vinda de Cristo.

2. Como será a Segunda Vinda de Cristo?
R: Mateus 24.30-31; Atos 1.11; 1Tessalonicenses 4.16; Apocalipse 1.7.

 

12. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE À ÁREA DE ECLESIOLOGIA (Doutrina da Igreja).

1. O que significa o vocábulo "Igreja"?
R: Vem do grego eclesia, vocábulo formado pela preposição ek, que significa, “saída” ‘emissão para fora’ e pelo verbo kaleo, que tem o significado de ‘chamar’, ‘convocar’. Eclesia era uma palavra usada para a reunião dos moradores da cidade, que eram chamados para fora de suas casas para participarem de uma assembléia pública, onde democraticamente discutiam os problemas da coletividade e tomavam decisões que os beneficiavam.

2. A quem é dado o nome de Igreja local?
R: Igreja local é o nome dado às Igrejas estabelecidas em diversas localidades -Apocalipse 1.11 – “Que dizia: O que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas: a Éfeso, a Esmirna, a Pérgamo, a Tiatira, a Sardes, a Filadélfia e a Laodicéia”; Atos 8.1; 9.31; 11.26; 14.23; 15.41; 16.1; 16.4; Romanos 16.5.16; 1Coríntios 1.2; 7.17; 11.16; 14.33; 16.1; 16.9; 2Coríntios 8.1,19-23; 12.13; Gálatas 1.2,22; Colossenses 4.15-16; 1Tessalonicenses 1.1; 2Tessalonicenses 1.1,4; Filemom 1.2.

3. Que outros nomes são dados à Igreja local?
R: Igreja visível; Igreja particular; Igreja militante.

4. O que a Igreja local não é?
R: Igreja não é o lugar (Salão ou Templo) onde os membros reúnem-se, apesar das pessoas se referirem a ele dizendo, por exemplo: “Eu vou à Igreja”.

5. O que é uma Igreja local?
R: Igreja local é um grupo de pessoas salvas por Cristo; regeneradas; submissas á Autoridade de Cristo; batizadas por imersão, mediante uma pública profissão de Fé pessoal em Jesus Cristo como Único Salvador; que crêem na Bíblia Sagrada como a Palavra de Deus e a Sua Única Regra de Fé e Prática; é autônoma em sua administração e governo; é independer1te do Estado; tem duas classes de oficiais, pastores e diáconos; reúne-se num local para promover o Reino de Deus na terra, através da Adoração a Deus e da Pregação da Palavra de Deus, no Templo e fora dele, e para ministrar as duas Ordenanças deixadas por Jesus o Batismo e a Ceia do Senhor.

6. O que é a Igreja Gloriosa?
R É a igreja formada por todos os salvos de todos os tempos. Igreja Gloriosa é a igreja constituída por todas as pessoas que foram, são e serão salvas por Jesus Cristo independentemente da Denominação às quais pertençam.

7. Que outros nomes são dados à Igreja Gloriosa?
R: Igreja Geral; Igreja Invisível; Igreja Triunfante Universal Assembléia e Igreja dos Primogênitos - Hebreus 12.22-23.
8. Que outros dois nomes são dados à Igreja de Jesus Cristo?
R: 1. Noiva de Cristo - Apocalipse 19.7
R: 2. Esposa de Cristo - Apocalipse 21.9.

9. Existe a Igreja Batista?
R: Não. “Existem as Igrejas Batistas”

10. Por que Igrejas Batistas e não Igreja Batista?
R: Porque não é uma Igreja só, são várias Igrejas. Há igrejas todas autônoma não existe um poder central.

11. Quem fundou a Igreja de Jesus Cristo?
R: O próprio Jesus - Mateus 16.18a – “Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”

12. Sobre quem Jesus fundou a Sue Igreja?
R: Sobre Si mesmo sobre o próprio Jesus - Mateus 16. 18b – “Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja...”. 

Nota: Jesus não afirmou que edificaria a Sua Igreja sobre aquela pedra apontando para uma pedra, que estivesse diante dele e de Pedro. Jesus não disse que edificaria a Sua Igreja sobre essa pedra, apontando para uma pedra que estivesse próxima dele, apontando para Pedro.
Jesus declarou que edificaria a Sua Igreja sobre esta pedra apontando para Si mesmo. Gramaticalmente, na língua portuguesa assim entendemos os pronomes demonstrativos esta, essa e aquela. Ou seja: sobre a declaração do próprio Pedro que disse: “Tu és o Cristo o Filho de Deus”. Mateus 16.16b.

13. As Igrejas de Jesus Cristo deixarão de existir no mundo, enquanto Cristo não voltar?
R: Não. Enquanto Cristo não voltar. as Igrejas de Jesus Cristo sempre existirão. “pois as portas do inferno não prevalecerão contra ela” – Mateus 16.18c.

14. Quais são os oficiais das Igrejas de Jesus Cristo?
R: 1a - Pastores (aqueles que cuidam, que apascentam o rebanho) Ef 4.11.
R: 2a - Diáconos - Filipenses 1. 1; 1Timóteo 3. 8-13.

Nota: O pastor exerce a função de pastor quando apascenta, quando dá “pasto”, quando alimenta as ovelhas com o “pasto”, que é a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.
Quando prega nos Cultos, e quando lê e medita na Bíblia, por ocasião das visitas pastorais e no aconselhamento pastoral. É a função mais visível, a que mais se destoca no Ministério Pastoral .


15. Que outros títulos são dados ao Pastor?
R: 1a - Bispos (supervisores) - Atos 20.28; Fp1.1; 1Timóteo 3.1-7; Tito 1.5-9.
R: 2 a- Presbíteros (supervisores) 1Tm 5.17; Tito 15; Tg 5.14; IPe 5,1-4; 3Jo v. 1.
R: 3a. Anciãos (homens experientes, conselheiros) - Atos 11.30;14.23; 15,2,4,6,22,23; 16.4; 20.17; 21.18; 22.5; 23.14; 24.1; 25.15; 2João versículo 1.
R:  4a.  Ministros (aqueles que possuem um ministério, que são vocacionados para realizar uma obra) - Lucas 1.2; Romanos 15.15-16; 1Coríntios 3.5; 1Coríntios 4.1; 2Coríntios 3.6; 2Coríntios 6.4; 2Coríntios 11.15-23; 1Timóteo 4.6.

Nota: - 1a - Em Atos 20.17-28, lemos que Paulo convocou os Anciãos (v.7) da Igreja em Éfeso a quem chamou também de Bispos (v.28) e os exortou a realizar o trabalho de Pastor (v.28) “...para apascentardes a igreja de Deus”.
2a - Pastor, Bispo, Presbítero, Ancião e Ministro: cinco títulos para o mesmo ofício.
3a - A leitura dos Textos Bíblicos mencionados, particularmente Atos 20.17-28 demonstra que os títulos conferidos ao pastor não significam a existência de hierarquia entre eles,

16. O que significa o vocábulo (a palavra) Diácono?
R: Vem do grego “diáconos” e significa “servo”. Os diáconos e as diaconisas são membros da Igreja, escolhidos por Ela, para servirem - 1Timóteo 3.8-13.

Nota: Há quem acredite, assim como eu, que embora não encontremos o vocábulo diácono em Atos 6.1-6, esse Texto refere-se aos diáconos. Concluo desta maneira porque as atribuições dos homens escolhidos em Atos 6.1-6 são muito parecidas com as dos diáconos, descritas em 1Timóteo 3.8-13.

17. Quais são as funções dos diáconos?
R: Basicamente a função dos diáconos é servir. Os batistas, costumam declarar que aos diáconos cabe servir às três mesas: a mesa do Senhor, a mesa do pastor e a mesa dos necessitados.

18. Quem pode ser diácono?
R: Segundo a descrição de 1Timóteo 3.8-13, o diácono:
1o. tem que ser sóbrio v. 8 parte (a)
2o. não pode ter língua dobre (ser maledicente, fofoqueiro; ter duas palavras, ser fingido) v. 8b.
3o. não pode ingerir bebida alcoólica – v. 8c.
4o. não pode ser ganancioso v. 8d.
5o. “com a consciência limpa, ele precisa conservar a verdade revelada da fé” – v. 9 parte a (A Bíblia Na Linguagem de Hoje).
6o. antes de ser consagrado ao diaconato, precisa ficar um período de experiência; se for aprovado nesse período, então será consagrado ao ministério diaconal – v.10.
7o. ser casado  v.12.
8o. a sua esposa tem que ser uma mulher séria; não pode ser maledicente (fofoqueira) e faladeira; tem que ser moderada e honesta – v.11.
9o. tem que ter uma só esposa e mulher. V. 12 parte ª
10o. tem que governar bem os seus filhos – v.12b.
11o. tem que governar bem a sua família – v. 12c.
12o. “os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si um lugar honroso, e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus” – v.13.

19. Quantas e quais são as Ordenanças deixadas por Jesus à Sua Igreja?
R: Duas: o Batismo (Mateus 28.19; Marcos 16.16) e a Ceia do Senhor (Mateus 26.17-30; Marcos 14.12-26; Lucas 22.7-23: 1Coríntios 11.23-39).

20. São Ordenanças ou sacramentos?Por quê?
R: São Ordenanças (“ordens, leis, prescrições” – Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa – Encyclopaedia Britânica do Brasil) e não sacramentos (vocábulo que significa (“Cada um dos sinais sensíveis produtores da graça, instituídos por Jesus Cristo como auxiliares indispensáveis para a pessoa conseguir a salvação eterna”) porque não conferem graça alguma a quem deles participa).

21. Qual é a forma do Batismo Bíblico?
R: A forma do Batismo Bíblico é a Imersão - Mateus 3.13-17 – “Então veio Jesus da Galiléia ter com João, junto do Jordão, para ser batizado por ele”.
Mas João o impedia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? Jesus, porém, lhe respondeu: Consente agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele consentiu. Batizado que foi Jesus, saiu logo da água; “e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito Santo de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele; e eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”

Notas: 1a - Jesus foi batizado no rio Jordão, porque o batismo por imersão requer muita água.
2a - Se Jesus saiu da água foi porque Ele entrou: entrou para ser batizado por imersão. Não teria sentido algum, Ele entrar na água para ser batizado por aspersão - (algumas gotas de água serem pingadas em Sua Cabeça).

Observações: João, o Batista, batizava em Enom, porque lá havia muitas águas -João 3.23. O batismo por imersão requer muita água.  Leia também Rm 6.3-5 e Cl 2.12 que registram que o Batismo significa sepultamento. Para ser sepultado é necessário cobrir todo o corpo com terra. Da mesma sorte, para ser batizado é mister ser totalmente imerso em água: é preciso cobrir todo o corpo com água.
22. O que significa o vocábulo “Batismo” ?
R: Vem do grego baptizo e significa mergulhar ou imergir.
23. O que simboliza o Batismo?
R: Simboliza Morte e Sepultamento para o pecado, para o mundo, e Ressurreição para uma nova vida com Cristo, uma nova vida para Deus. Rm 6.4-5; Cl 2.12.
24. Qual é a primeira maneira de tomar-se membro de uma igreja local?
R: O modo inicial de tornar-se membro de uma igreja local é o Batismo - Atos 2.41.

25. Cite alguns exemplos Bíblicos de Batismo.
1o. Jesus foi batizado por imersão - Mateus 3. 13-17.
2o. Jesus ordenou que Batismos fossem realizados - Mateus 28.19-20.
3o. João foi chamado de “Batista” porque batizava por imersão – João  1.25-33; 3.23.

Nota: O nome de João, era simplesmente João. Na época em que ele nasceu, os pais não colocavam sobrenome nos seus filhos - Lucas 1:13. Depois ele foi chamado de o Batista, porque batizava. Mais tarde, o apelido, o Batista, foi acrescentado ao seu nome para distinguí-lo das outras pessoas que também chamavam-se João. Ele ficou conhecido, portanto, por João Batista.

4o. Pedro pregou sobre a importância do Batismo - Atos 2.38.
5o. Filipe batizava por imersão - Atos 8.36-39 – “E indo eles caminhando, chegaram a um lugar onde havia água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? [E disse Felipe: é licito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e Filipe o batizou. Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco, que jubiloso seguia o seu caminho”. Os destaques são meus.

Notas: 1a. O eunuco foi batizado por Filipe em um lugar onde havia água suficiente para que ambos entrassem nela. O Batismo requer muita água.
2a. Filipe e o eunuco, ambos saíram da água. Se saíram é porque entraram. Se entraram na água foi para que o eunuco fosse batizado por imersão. Não teria sentido algum eles entrarem na água para que fosse realizado o batismo por aspersão - (algumas gotas de água serem pingadas na cabeça do eunuco).
3a. Para ser batizado (ou batizada) é preciso crer em Jesus Cristo como Salvador e Senhor - Marcos 16.15, 16; Atos 8.36-37; Atos 16.30- 34.
4a. Por isto não podem ser batizadas as crianças recém nascidas e as crianças que ainda não tenham a capacidade de crer.

26. Quem pode ser batizado?
R: 1o As crianças que têm consciência do pecado podem crer em Jesus e, por conseguinte, serem batizadas - Mateus 18.6, 14,36; Marcos 9.36; 10.14; Efésios 1.1 com Efésios 6.1.
R: 2o Todas as pessoas que se converteram a Jesus Cristo, aceitando-O como único e suficiente Salvador.

27. Em Nome de quem as pessoas são batizadas?
R: Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo - Mateus 28.19-20.
28. Que nomes são dados à Segunda Ordenança deixada por Jesus às Suas Igrejas?
R: Ceia, Santa Ceia e Ceia do Senhor.

29. Qual é o nome correto da Segunda Ordenança deixada por Jesus às Suas Igrejas? Por quê?
R: O nome correto da Segunda Ordenança deixada por Jesus às Suas Igrejas é Ceia do Senhor, porque assim Jesus denominou a Sua Segunda Ordenança - 1Coríntios 11.20.
Notas: 1a. Não é certo o nome Ceia, porque Ceia é “refeição da noite, a última em cada dia” - Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa - Encyclopaedia Britânica do Brasil.

2a. Também é incorreto o nome Santa Ceia, porque é um termo que não é encontrado em nenhum versículo da Bíblia.
3a. Observe que, em algumas versões da Bíblia é dado erradamente como título de assuntos, a expressão Santa Ceia. Note, entretanto, que essa expressão não está escrita nos versículos, estes sim, Inspirados por Deus.

30. Quantos e quais são os elementos da Ceia Do Senhor?
 R: Dois. O Pão e o Vinho.

31. O que simboliza o pão?
R: O Corpo de Cristo crucificado na cruz por para nos salvar.
 
32. O que simboliza o vinho?
R: O Sangue de Cristo derramado na cruz para nos salvar.

33. Quais são as três principais interpretações dadas à Ceia do Senhor?
R: PRIMEIRA INTERPRETACÃO - Transubstanciação (transformação das substâncias). Os defensores desta interprelação afirmam que o pão e o vinho, após serem abençoados pelo sacerdote católico romano, transformam-se literalmente no Corpo e no Sangue de Jesus.
R: SEGUNDA INTERPRETACÃO - Consubstanciação (presença real nas substâncias) - Os defensores desta interpretação afirmam que Cristo, no momento em que a Ceia do Senhor está sendo ministrada, está presente de uma forma misteriosa e milagrosa, no pão e no vinho, concedendo graça, benefícios, bênçãos para quem participa da Ceia do Senhor - Assim crêem os presbiterianos.
R: TERCEIRA INTERPRETACÃO – Memorial (traz a memória a lembrança de Jesus) – “Fazei isto em memória de mim” Esta é a correta interpretação Bíblica e por isso adotada pelos Batistas filiados á Convenção Batista Brasileira. A Ceia do Senhor é um Memorial, para nos lembrar, primeiro, que Jesus morreu na cruz para nos salvar (1Coríntios 11.26); segundo, que Cristo voltará uma segunda e última vez para buscar quem a Ele entregou a direção de sua vida (1Coríntios 11.26); terceiro, que devemos santificar a nossa a vida todos os momentos, até que Ele volte.

34. Quais são os modos da Ceia Do Senhor ser ministrada?
R: Há pelo menos quatro modos de ser ministrada a Ceia do Senhor:
PRIMEIRO MODO: Ceia Ultra Restrita. Servida somente aos membros da Igreja que está realizando a Ceia do Senhor.
SEGUNDO MODO: Ceia Restrita. Servida a todos os membros das Igrejas da mesma Denominação.
TERCEIRO MODO: Ceia Livre. Servida a quem for membro de qualquer Igreja evangélica.

QUARTO MODO) Ceia Ultra Livre. Servida a qualquer pessoa, membro ou não de uma Igreja evangélica.

Nota: Antigamente todas as Igrejas Batistas adotavam a Ceia Restrita, fato que, infelizmente não ocorre hoje em dia. Contudo, creio que a Ceia Restrita é o modo correto de ministrar a Ceia do Senhor.

35. A Ceia Do Senhor pode ser ministrada em Convenções, Associações, Congressos, Congregações, Casas, Hospitais, etc?
R: Não. A Ceia do Senhor tem que ser ministrada sempre na igreja local.

36. Quais são os modos de tornar-se membro de uma Igreja Batista?
R: Batismo, Carta de Transferência (de outra Igreja Batista da mesma Fé e Ordem; Igreja filiada à Convenção Batista Brasileira), Reconciliação (de pessoas excluídas de alguma Igreja Batista da mesma Fé e Ordem) e em casos excepcionais por Aclamação.
Nota: A Carta de Transferência é pedida na Igreja para a qual a pessoa deseja transferir-se.

37. Quando é que alguém pode ser recebido por Aclamação?
R: Por exemplo: 1o. Quando a Igreja da qual O irmão (ou a irmã) é membro, fechou, impossibilitando assim o pedido de Carta de Transferência;  e em 2o. Quando a Igreja não envia a Carta de Transferência, mesmo após inúmeros envios de pedidos de Carta, telefonemas e outras tentativas de entrar em contato com a Igreja. A Aclamação é um expediente raramente usado.

38. Quais são os modos de deixar de ser membro de uma Igreja Batista?
R: Carta de Transferência (para outra Igreja Batista da mesma Fé e Ordem), Exclusão (do Rol de Membros da Igreja) e Morte.

39. Como é exercido o Governo nas Igrejas Batistas?
R: 1. O Governo exercido nas igrejas Batistas é O Governo Democrático - Democracia. É uma Democracia executiva, onde todos governam e todos são governados; é denominado também de Governo Congregacional - cada igreja local é administrada pelos seus membros, mediante O voto; é autônoma; é soberana (não está subordinada a qualquer organismo criado pelos homens).
R: 2. Cristo é cabeça da Igreja e por isso a Igreja tem que estar submissa à Sua Direção: é uma Cristocracia.
R: 3. A Igreja também está sujeita a Deus: é uma Teocracia.

40, Que tipos de governo há em outras Igrejas Evangélicas?
R: Há outros 3 tipos principais de governos eclesiásticos:
1o  - Governo Monárquico (é centralizado em apenas uma pessoa, que depois de eleita ou proclamada lider, governará até à sua morte - é o governo da igreja católica, apostólica romana);
2o - Governo Episcopal (há bispos para dirigir determinados país ou regiões, tendo autoridade sobre a área que dirige; e há um bispo ou arcebispo que exerce autoridade sobre os bispos regionais - é o governo das igrejas luteranas, episcopais e luteranas);
3o - Governo Presbiterial ou Sinodal (há um presbitério - colegiado eleito pela igreja local - que administra a igreja local; esse presbitério elege os seus representantes para um sínodo que administra a denominação - é o governo da igreja presbiteriana).

41. Como são administradas as Igrejas Batistas?
R: 1: A Assembléia da Igreja local, formada pelos seus membros, é o poder máximo da Igreja e é também, o lugar onde são tomadas as decisões da Igreja.
R: 2: As Igrejas Batistas têm Estatuto e Regimento próprios.
R: 3: Os membros de uma Igreja local reúnem-se, em Assembléias regulares e extraordinárias, para tomar as suas próprias decisões. A todos é concedido o direito de pronunciarem-se sobre todas as matérias que estiverem em discussão, nos termos do Estatuto e do Regimento Interno da Igreja.
Exemplos.
1o - ACONTECERAM ASSEMBLÉIAS PARA MOVIMENTO DE MEMBROS. AS IGREJAS DELIBERAVAM SOBRE A ACEITACÃO DE MEMBROS. Paulo quis ser membro da Igreja em Jerusalém e os irmãos daquela Igreja não o aceitaram - (Atos 9.26). Barnabé testemunhou em favor de Paulo (Atos 9.27), e Paulo foi aceito pela Igreja (Atos 9.28-29a). Em Atos capítulo 10 encontramos a história de Cornélio e de Pedro. No versículo 47, lemos que Pedro fez uma proposta para que fossem batizados, Cornélio e todos os outros gentios (todos que não são judeus, são chamados de gentios) que se converteram a Jesus naquele momento (v.48a).
2o – AS IGREJAS ELEGIAM COMISSCES DE VISITACÃO DE MEMBROS. Veja o que está escrito em Gálatas 6.1: “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado”. Veja também Mateus 18.15-17, principalmente o versículo 17.
3o – AS IGREJAS DELIBERAVAM SOBRE A EXCLUSÃO DE MEMBROS. Encontramos em 1Coríntios 5.9-13, o seguinte Ensino: “Já por carta vos escrevi que não vos comunicásseis com os que se prostituem; com isso não me referia à comunicação em geral com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo. Mas agora vos escrevo que não vos comuniqueis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com esse tal nem sequer comais. Pois, que me importa julgar os que estão de fora? Não julgais vós os que estão de dentro? Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai esse iníquo do meio de vós”.
Veja também Mateus 18.15-17, principalmente o versículo 17. 
4o - ACONTECEU UMA ASSEMBLÉIA PARA A ELEIÇÃO DE DIRETORIA. AS IGREJAS ELEGIAM AS SUAS DIRETORIAS.
O apóstolo Pedro fez uma proposta: Atos 1.15-22. Pedro propôs que outra pessoa fosse escolhida para preencher o lugar de apóstolo, deixado vago por Judas. A Igreja em Jerusalém apoiou a proposta - Atos 1.23.
Os membros da Igreja em Jerusalém oraram, buscando a Vontade de Deus, para saber quem Deus escolheria como apóstolo, em lugar de Judas - Atos 1.24,25. Matias, então foi escolhido para preencher a vaga de apóstolo - Atos 1.26.
5o - A IGREJA EM JERUSALÉM ESCOLHEU E ENVIOU DOIS DOS SEUS MEMBROS, PARA VERIFICAREM O QUE ESTAVA ACONTECENDO. AS IGREJAS ELEGIAM MEMBROS PARA DESEMPENHAR DETERMINADAS TAREFAS. Lucas escreveu em Atos 11.19-21: “Aqueles, pois, que foram dispersos pela tribulação suscitada por causa de Estêvão, passaram até a Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus”.
Havia, porém, entre eles alguns cíprios e cirenenses, os quais, entrando em Antioquia, falaram também aos gregos, anunciando o Senhor Jesus. E a mão do Senhor era com eles, e grande número creu e se converteu ao Senhor. Em seguida, acrescentou: “Chegou a notícia destas coisas aos ouvidos da igreja em Jerusalém, e enviaram Barnabé a Antioquia - Atos 11.22.
(Leia também 2Coríntios 8.19).
6o - Atos capítulo 15 - O problema: alguns irmãos judeus ensinavam aos irmãos não judeus (gentios) que eles tinham que circuncidar-se, como todos os irmãos de descendência judaica, e que se eles não agissem assim, não poderiam ser salvos (v.1). Paulo e Barnabé não concordaram com os irmãos judeus e discutiram muito com eles.
A Igreja em Antioquia deliberou então, que Paulo, Barnabé e alguns membros da Igreja, fossem a Jerusalém e conversassem, sobre aquele problema, com os apóstolos e com os anciãos da Igreja em Jerusalém - que os consultassem sobre aquela questão (v.2b).
Alguns fariseus, que haviam se convertido a Cristo, membros da Igreja em Jerusalém, disseram que os irmãos gentios tinham que ser circuncidados, segundo a lei de Moisés .
 Os apóstolos e os anciãos (v.6) e toda a Igreja em Jerusalém (v.12) realizaram uma Assembléia para tratar do assunto, onde todos puderam discutir. Pedro argumentou que os gentios não precisavam circuncidar-se e que mesmo assim seriam salvos (v.v.7-11). Barnabé e Paulo contaram “quantos sinais e prodígios Deus havia feito por meio deles entre os gentios” (v.12). Depois que se calaram (Pedro, Barnabé e Paulo), Tiago, tomando a palavra, disse: Irmãos, ouvi-me: Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios para tomar dentre eles um povo para o seu Nome. E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito: Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; reedificarei as suas ruínas, e tornarei a levantá-lo; para que o resto dos homens busque ao Senhor, sim, todos os gentios, sobre os quais é invocado o meu nome, diz o Senhor que faz estas coisas, que são conhecidas desde a antiguidade (v. v.13-18). Em seguida, Tiago propôs: “Por isso, julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus, mas lhes escreve que se abstenham das contaminações; dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. Porque Moisés, desde tempos antigos, tem em cada cidade homens que o preguem, e cada sábado é lido nas sinagogas” (v.v.20-21). “Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a igreja escolher homens dentre eles e enviá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé, a saber: Judas, chamado Barsabás, e Silas, homens influentes entre os irmãos. E por intermédio deles escreveram o seguinte: Os apóstolos e os anciãos, irmãos, aos irmãos dentre os gentios em Antioquia, na Síria e na Cicilia, saúde. Portanto ouvimos que alguns dentre nós, aos quais nada mandamos, vos têm perturbado com palavras, confundindo as vossas almas, pareceu-nos bem tendo chegado a um acordo, escolher alguns homens e enviá-los com os nossos amados Barnabé e Paulo, homens que têm exposto as suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Enviamos portanto Judas e Silas, os quais também por palavra vos anunciarão as mesmas coisas. Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas necessárias: Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição; e destas coisas fareis bem de vos guardar. Bem vos vá (v.v.22-29).
Esta foi a deliberação tomada pela Igreja em Jerusalém. Judas e Silas entregaram a correspondência à Igreja em Antioquia que estava reunida em Assembléia para tratar desse assunto (v.v.30-31).
HOUVE ASSEMBLÉIAS SEPARADAS NAS DUAS IGREJAS. CADA IGREJA DELIBERAVA SOBRE OS SEUS ASSUNTOS. NÃO HAVIA INTERFERÊNCIA DE UMA IGREJA EM OUTRA; NENHUMA IGREJA MANDAVA EM OUTRA IGREJA.

42. Quais são os três grandes grupos em que pode ser dividida a disciplina nas igrejas?
R: Disciplina Normativa, Disciplina Corretiva e Disciplina Cirúrgica.

43. Quando ocorre a Disciplina Normativa?
R: Quando são pregados sermões e quando são feitos estudos e palestras.

44. Quando ocorre a Disciplina Corretiva?
R: Quando o (a) membro da igreja é aconselhado e deixar de fazer aquilo que contraria a vontade de Deus.

45. Quando ocorre a Disciplina Cirúrgica?
R: Quando o (a) membro da igreja que recebeu a disciplina normativa e a disciplina corretiva continua agindo contrariamente à vontade de Deus e é excluído (a) da igreja.

46. Quais são os Tipos de Disciplina em uma Igreja Batista?
R: Primeiro Tipo de Disciplina: Repreensão com amor, exortação com amor (1Co 2.5-8). “Ora, se alguém tem causado tristeza, não me tem contristado a mim, mas em parte (para não ser por demais severo) a todos vós. Basta a esse tal esta repreensão feita pela maioria. De maneira que, pelo contrário, deveis antes perdoar-lhe e consola-lo, para que ele não seja devorado por excessiva tristeza. Pelo que vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor”.
R: Segundo Tipo de Disciplina: Exclusão – Mateus 18.15-17 – “Considera-o como gentio e publicano”. 1Corintios 5.13 – “Tirai pois dentre vós a esse iníquo”.
Nota: em Mateus 18.15-17, Jesus ensinou quais são os cinco passos da Disciplina nas Suas Igrejas.
PRIMEIRO PASSO: - Ir ao membro que precisa ser disciplinado e repreende-lo. Se ele (a) reconhecer o erro, arrependendo-se e se confessando a Deus, o problema está resolvido (v.15). “Ora, se teu irmão pecar, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, terás ganhado teu irmão”. (veja também – Lucas 17.3-4: “Tende cuidado de vós mesmos; se teu irmão pecar, repreende-o; e se ele se arrepender, perdoa-lhe”).
SEGUNDO PASSO - Se a pessoa não aceitar a repreensão, levar consigo dois ou três membros da mesma Igreja e repreendê-la novamente. Se ele (ela) reconhecer o erro, arrependendo-se e se confessando a Deus, o problema está resolvido. “Mas se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda palavra seja confirmada”.
TERCEIRO PASSO - Se a pessoa não aceitar a repreensão desses irmãos, levar o problema à Igreja. “Se recusar ouvi-los, dize-o à igreja...” v.17.
QUARTO PASSO - A Igreja então elege uma comissão dentre os seus membros que, em nome da Igreja (representando a Igreja) é enviada para repreender o membro faltoso (ou a membro faltosa) “ouvir a igreja...”. Se ele (ela) reconhecer o erro, arrependendo-se e confessando-o a Deus, o problemas está resolvido.
QUINTO PASSO - Se a pessoa não aceitar a repreensão da Igreja, representada por essa Comissão, não reconhecer o erro, arrependendo-se e confessando-o a Deus, então é excluído (excluída) do rol de membros da Igreja v.17. “E, se também recusar ouvir a igreja, considera-o como gentio e publicano”. A exclusão é o último passo a ser tomado e só pode ser efetuada após os passos anteriores serem percorridos.
47. Quem tem de ser Excluído?
R: 1o Quem promove dissensões (desacordos, discórdias. divergências, divisões) ensinando algo contrário às Doutrinas Bíblicas - Romanos 16.17, 18: “Rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles. Porque os tais não servem a Cristo nosso Senhor, mas ao seu ventre; e com palavras suaves e lisonjas enganam os corações dos inocentes”.
2o - Quem blasfema da Fé - 1 Timóteo 1.18-20.
3o - Quem pratica imoralidades - Leia 1Coríntios 5.
4o - Quem desvia-se da Verdade (Bíblica) - 2Timóteo 2.16-18.
5o - Quem tem conduta desordenada - 2Tessalonicenses 3.6-14.
48. Como temos de agir quando repreendermos e excluirmos alguém?
R: 1o - Perdoar quem se arrepender, independentemente da quantidade de vezes que ele (ela) pecar - Lucas 17.3,4: “Tende cuidado de vós mesmos; se teu irmão pecar, repreende-o; e se ele se arrepender, perdoa-lhe. Mesmo se pecar contra ti sete vezes no dia, e sete vezes vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me; tu lhe perdoarás".
R: 2o - Com amor - 2Coríntios 2.5-8: “Ora, se alguém tem causado tristeza, não me tem contristado a mim, mas em parte (para não ser por demais severo) a todos vós. Basta a esse tal esta repreensão feita pela maioria. De maneira que, pelo contrário, deveis antes perdoar-lhe e consolá-lo, para que ele não seja devorado por excessiva tristeza. Pelo que vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor”.
3o - Encaminhar (guiar, levar de volta ao caminho) com espírito de mansidão, tendo cuidado para não cometer o mesmo pecado, sabendo que estamos sujeitos a cometer pecado idêntico - Gálatas 6.1: “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado”.
4o - Olhar por si mesmo (ou por si mesma) para não ser também tentado (tentada); tendo cuidado para não cometer o mesmo pecado; sabendo que estamos sujeitos a cometer pecado semelhante - Gálatas 6.1: “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado”.
5o - Não considerar inimigo (ou inimiga) quem for repreendido (ou repreendida) - 2 Tessalonicenses 3.14,15: “Mas, se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai-o e não tenhais relações com ele, para que se envergonhe; todavia não o considereis como inimigo mas admoestai-o como irmão”.
6o - Admoestar como a um (uma) irmão (irmã) quem for repreendido (ou repreendida) – 2 Tessalonicenses 3.15: “Mas, se alguém não obedecer à nossa palavra por esta carta, notai-o e não tenhais relações com ele, para que se envergonhe; todavia não o considereis como inimigo, mas admoestai-o como irmão”.

49. Quais são as Formas do Sustento Financeiro das Igrejas de Jesus Cristo?
R: Os dízimos e as ofertas.
1. Dízimos - Gênesis 28.20-22; Levitico 27.28-34; Lucas 18.9-14.
2. Ofertas - 1Coríntios 16.1-4; 2Corintios 9.6-15.
3. Dízimos e Ofertas - 2Crônicas 31.2-8; Ml 3.7-12; Mt 5.17-20; Mt 23.16-24.
50. O que é o Dízimo?
R: O Dizimo é a décima parte do salário que recebemos, de todos os nossos rendimentos financeiros, os quais entregamos à Igreja da qual somos membros.
51. Quem foi a primeira pessoa mencionada na Bíblia, como tendo entregado o Dizimo?
R: Abraão -Gênesis 14.20 – “E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-Ihe o dizimo de tudo”.
52. A Doutrina Bíblica do Dízimo é válida somente para a Antiga Dispensação (Antigo Testamento) ou está em vigor também para os crentes da Dispensação da Graça (Novo Testamento)?
R: É válida também para os crentes, salvos por Jesus Cristo. Jesus afirmou: “se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” - Mateus 5.20. Mais adiante, em Mateus 23.23, Jesus ensinou: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido O que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas (o dízimo da hortelã, do endro e do cominho)”.
Nós crentes em Jesus, temos que fazer mais do que os fariseus (Mateus 5.20). Os fariseus entregavam os dízimos (Mateus 23.23). Nós também temos que entregar os dízimos.

53. O que são as Ofertas Alçadas (levantadas)?
R: Ofertas Alçadas são as ofertas levantadas pelas Igrejas para fins específicos, tais como: oferta para Missões Mundiais, oferta para Missões Estaduais, oferta para Missões Regionais, oferta para a Construção do Templo, oferta para a Aquisição de Propriedade, etc.

54. Quem instituiu o Dízimo e as Ofertas?
R: Deus - Malaquias 3.8-10.

55. Qual é o verbo correto: entregar, dar ou pagar o Dízimo?
R: Entregar é devolver o que pertence a alguém; dar é presentear alguém com algo; é saldar um compromisso assumido com alguém. O Dízimo é a parte que pertence a Deus, portanto não podemos dar o dizimo; não podemos dar o que não pertence a nós; não podemos dar o que já é de Deus.
O Dízimo é a parte que pertence a Deus, logo temos que entregar o dizimo; temos que entregar o que não nos pertence, o que não é nosso; temos que entregar o que é de Deus. O Dízimo é a parte que pertence a Deus, por conseguinte não podemos pagar o dízimo; não podemos pagar o que não pertence a nós; não podemos pagar o que é de Deus.
Nota: Existe uma possibilidade do dizimo ser pago: é quando, erradamente, alguém deixou de entregar o dízimo na quantidade e na data corretas, e assim está devendo a Deus. Nesse caso, tem que ser pago corrigido, para que tenha o valor real não perdendo assim, o valor que tinha quando deveria ter sido entregue.

56. Os pastores: temos que entregar dízimos e ofertas?
R: Claro que sim. Todos os crentes têm que entregar dízimos e ofertas.

57. O que é o Plano Cooperativo?
R: O Plano Cooperativo tem as seguintes características: 1a surgiu em 1957, foi aprovado em 1958 e entrou em vigor no ano de 1959;
2a Foi resultado de uma sugestão apresentada por alguns secretários executivos nacionais e estaduais que desejavam que houvesse uma Receita Regular Mensal para a execução dos programas das organizações que lideravam;
3a  O principio básico do Plano Cooperativo é semelhante ao do dizimo; assim como cada membro da Igreja Local contribui com 10% (dez por cento) dos seus rendimentos, cada Igreja envia a décima parte dos dízimos de seus membros à Convenção Batista Estadual ou Regional e esta envia parte do que recebe à Convenção Batista Brasileira que faz a distribuição conforme deliberação das Assembléia Convencionais.
Notas: 1a - As Igrejas que não contribuem para o Plano Cooperativo, de certa maneira, estão ensinando os seus membros a não entregarem o dizimo.
2a - As Igrejas que participam do Plano Cooperativo têm sido ricamente abençoadas por Deus em todas as suas áreas inclusive na multiplicação dos seus recursos financeiros; o mesmo não ocorre com as Igrejas que assim não agem.
Não há motivo que justifique a omissão do Plano Cooperativo pois ele é proporcional aos dizimas das Igrejas. O pastor tem que ser um ferrenho defensor do Plano Cooperativo.
3a - Há uma declaração atribuída ao saudoso pastor Rubens Lopes que demonstra bem a realidade do Plano Cooperativo: “O Plano Cooperativo é excelente como Plano... o problema é que ele é Cooperativo”.

58. Qual é a base Bíblica para a separação entre as Igrejas e o Estado?
R: 0 Princípio Bíblico foi ensinado por Jesus em Mateus 22.15b – “...Dai pois a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”. Este princípio é norma das Igrejas Batistas.
Nota: Estado é tanto o país quanto o estado, propriamente dito. Por exemplo: país (Estado) - Brasil; estado - Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Rondônia, etc.

59. Cite algumas características da separação entre as Igrejas e o Estado?
R: 1a – O  Estado não pode interferir nas Doutrinas e nos Cultos da Igreja;
2a - as Igrejas não recebem qualquer subvenção do Estado (Subvenção “Auxílio pecuniário - relativo ao dinheiro - Ou subsidio concedido pelos poderes públicos” - Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa - Encyclopaedia Britannica Do Brasil);
3a - as Igrejas obedecem às autoridades;
4a - as Igrejas recebem proteção nos termos das leis;
5a – As igreja tem o seu Estatuto devidamente registrado nos órgãos Competentes.

60. Como é feita a cooperação entre as Igrejas Batistas filiadas à Convenção Batista Brasileira?
R: A Igreja local relaciona-se para fins cooperativos com cada uma das Igrejas Batistas da mesma Fé e Ordem (filiadas à Convenção Batista Brasileira), com a Associação Regional, com a Convenção Batista Estadual ou Regional, com a Convenção Batista Brasileira e, por intermédio desta, com a União Batista Latino Americana e com a Aliança Batista Mundial.
61. Por que é importante haver este tipo de cooperação denominacional?
R: O adágio popular “A união faz a força” aplica-se também à Igreja local, pois o que uma Igreja não pode realizar sozinha, várias Igrejas juntas são capazes de realizar

62. Cite algumas maneiras de ser exercida a cooperação denominacional das Igrejas Batistas com outras Igrejas da mesma fé e ordem.
R: A realização de intercâmbios, acampamentos, piqueniques, palestras, simpósios, congressos, etc.

63. Enumere alguns modos de ser feita a cooperação com a denominação Batista à qual as Igrejas Batistas estão filiadas.
R: 1o  - A Igreja credencia e envia mensageiros e mensageiras às Assembléias e encontros promovidos pelas Associações e Convenções.
2o - A Igreja envia regularmente Ofertas Missionárias.
3o - A Igreja envia regularmente o Plano Cooperativo.
4o - Os membros das Igrejas participam das atividades das Associações Regionais, das Convenções Estaduais, da Convenção Batista Brasileira, dos eventos denominocionais, etc.

64. E a cooperação com as outras denominações Evangélicas?
R: Deve haver um relacionamento fraterno, ainda que não seja conveniente por exemplo, pastores de outras denominações fazerem palestras e pregarem nos púlpitos de Igrejas Batistas, e a realização de eventos conjuntos com outras denominações, etc.

65. Qual é a posição das Igrejas Batistas, quanto à declaração doutrinária da Convenção Batista Brasileira?
R: As Igrejas Batistas aceitam como fiel interpretação da Bíblia Sagrada o documento intitulado Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira.
Este documento foi aprovado com os votos dos mensageiros enviados pelas Igrejas cooperantes às Assembléias Convencionais.
Notas:  1a - Os membros de nossas Igrejas têm que conhecer profundamente esse documento.
2a - É importante também que todas as Igrejas tenham um exemplar desse documento publicado pela JUERP.
3a - Também é necessário que os pastores, apresentemos estudos sobre esse documento.

66. Quais são as partes de um Culto?
R: Um Culto a Deus tem que ter as seguintes partes: Leitura da Bíblia Sagrada e pregação da Palavra de Deus, a Bíblia (Efésios 6.19), oração (Atos 12.5 - veja também Atos 22.17), cânticos espirituais (Efésios 5.19 - Veja também Colossenses 3.16) e testemunhos pessoais (Atos 14.27).
Nota: Um “culto” onde somente há cânticos, não é um Culto. Um “culto” onde apenas são feitas orações, não é um Culto. Um “culto” onde haja somente leitura da Bíblia Sagrada e pregação da Palavra de Deus, não é um Culto. Um “culto” onde só sejam dados testemunhos pessoais, não é um Culto. Em todos os Cultos, é necessário que haja: leitura da Bíblia Sagrada e pregação da Palavra de Deus, a Bíblia; oração; cânticos espirituais; e testemunhos pessoais.

67. Cite outras características dos Cultos.
R: 1. As pessoas que participam de um Culto, tem que estar reunidas em Nome de Jesus - Mateus 18.20: “Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome (em Nome de Jesus - veja o contexto), aí estou eu no meio deles”.
2. O Culto tem que ser em Espírito e em verdade - João 4.23,24: “Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade”.
Notas: 1a - Adorar a Deus em Espírito, cultuar a Deus em Espírito significa realizar um Culto onde o silêncio predomine. Sendo Deus Espírito, e desejando um Culto em espírito e em verdade.
2a - Adorar a Deus em verdade, cultuar a Deus verdade primeiro é ser sincero, verdadeiro na adoração; e segundo é manifestar os sentimentos reais, quando cultuar a Deus - por exemplo, orar agradecendo a Deus o privilégio de estar no Culto, quando na verdade, foi obrigado pelos pais a ir ao Culto, (não é cultuar em verdade).
Nota: O Culto tem que ser vivo, santo e agradável a Deus: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus..” (Romanos 12.1)
O Culto não tem que ser, necessariamente, agradável a nós, mas tem que ser um Culto agradável a Deus. (Romanos 12.1)
Um Culto racional é um Culto onde existe o uso da razão. Seria racional, estaria sendo usada a razão, num Culto onde ao mesmo tempo houvesse pessoas cantando, orando, dando testemunho lendo a Bíblia e cantando? Onde é pedido que uma determinada pessoa ore e todos orem ao mesmo tempo?

68. Quando devemos estar presentes aos Cultos e participar deles?
R: Sempre que for possível. Temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para estar presentes em todos os Cultos realizados pela Igreja local- Lucas 24.53:
“E estavam continuamente no templo, bendizendo a Deus”; Hebreus 10.25:
“Não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia”.

69. Por que o irmão é Batista?
R: Esta resposta é individual.

 
13. PERGUNTAS BÁSICAS PARA CANDIDATOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA, NO TOCANTE A ÁREA DE ÉTICA PASTORAL.

1) O irmão já teve problemas com algum pastor?
Nota: No caso da resposta ser afirmativa, é necessário perguntar o nome do(s) pastor(es), o(s) problema(s) havido(s) e se o(s) problema(s) já foi(foram) resolvido(s).
2) Em relação às dívidas como está atualmente a vida financeira do irmão?
Nota: As demais perguntas devem ser formuladas tomando como base o Código de Ética da Ordem dos Pastores Batista do Brasil.

AS DUAS ÚLTIMAS PERGUNTAS A SEREM FEITAS AO CANDIDATO AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA

1) O irmão crê em tudo o que respondeu neste Concílio?

2) Caso este Concílio o aprove, o irmão está disposto a assinar a seguinte Declaração de Fidelidade Doutrinária que posteriormente será registrada em cartório?

Declaração de Fidelidade Doutrinária

Eu, abaixo assinado, pastor batista, declaro, no dia do meu exame consagratório para o exercício do Ministério Pastoral, que sou batista convicto, praticante dos princípios e atos de culto segundo os moldes e doutrinas aceitos pelos batistas, quer da Convenção Batista Brasileira, quer da Convenção Batista..........................(colocar o nome da Convenção à qual a igreja que o candidato é membro está filiada), comprometendo-me, assim que ordenado, a pedir o meu ingresso no quadro da Ordem dos Pastores Batistas do Brasil – secção......................(colocar o nome da secção da Ordem). Comprometo-me, mais, diante de Deus e dos futuros colegas do Ministério que hoje me examinam que, se algum dia, por qualquer motivo, vier a mudar de convicção, quer doutrinária, quer teológica, que não se enquadre com os hábitos, práticas e costumes batistas, deixarei, sem resistência, o ministério da igreja batista que eu estiver pastoreando, sem proceder a qualquer proselitismo, procurando unir-me a outra igreja, movimento, grupo ou entidade condizente com os meus novos objetivos e convicções doutrinárias, autorizando a denominação batista, por seus órgãos e meios próprios, administrativos ou legal, a providenciar a minha saída da igreja em que estiver, sem resistência, para não quebrar a unidade denominacional.

   ............................................(local)_____/____/_____(data)

  __________________________________________________________
     assinatura do candidato.

Notas: 1a -  Este compromisso precisa ser registrado no cartório de títulos e documentos.
2a - Esta deve ser a última pergunta do exame a ser formulada ao candidato.

   Capitulo X

A  BENÇÃO APOSTÓLICA MINISTRADA PELOS CANDIDATOS APROVADOS AO MINISTÉRIO PASTORAL BATISTA


 No termino do culto de consagração ao ministério Pastoral Batista, os candidatos aprovados ao Ministério Pastoral Batista ministram a Benção Apostólica.
 A Bênção Apostólica é a Bênção que o Apostolo Paulo ministrou algumas vezes, por exemplo:

 1. “A graça do Senhor Jesus  Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós” (2Corintios 6.13);
 2. “A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós” (22Corintios 12.13).

 Essa Bênção também pode ser ministrada da seguinte forma:
 Que o Amor de Deus, a graça salvadora de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e as Consolações do Espírito Santo esteja com cada um de nós aqui presente e com todo o Povo de Deus espalhado pela face da terra. Amem!

 No momento em que ministrar a Bênção Apostólica, o pastor recém consagrado ao Ministério Pastoral Batista, deve erguer uma ou ambas as mãos, dirigindo-as para a congregação.
 
 É muito importante que o novel pastor saiba ministrar a Bênção Apostólica por isso deve decora-la com antecedência.

 

 

A↑AA↓

Política de Privacidade

2011 ® todos os direitos reservados • design by ideia on